Relatório acusa Pequim de destruir mesquitas em Xinjiang

A República Popular da China terá destruído ou danificado milhares de mesquitas em Xinjiang, de acordo com um relatório publicado a sexta-feira por um instituto de investigação australiano financiado pelo Departamento de Estado americano.

Nos últimos anos quase 16.000 mesquitas foram destruídas ou danificadas nesta região de maioria muçulmana, afirma num relatório o Instituto Australiano de Política Estratégica (ASPI), um organismo de investigação criado pelo governo da Austrália.

Os investigadores baseiam-se em fotos de satélite e “extrapolações”. Depois de analisar 533 mesquitas (das 24.000 que existem oficialmente em Xinjiang, segundo as autoridades chinesas), os pesquisadores fizeram cálculos com base em modelos estatísticos.

A maior parte da destruição aconteceu nos últimos três anos e 8.500 mesquitas foram completamente destruídas, de acordo com o relatório.

De outras foram retiradas as cúpulas e os minaretes, segundo os investigadores, que calculam que 15.500 mesquitas permanecem de pé em Xinjiang.

O estudo foi financiado pelo Departamento de Estado americano, segundo o ASPI. Washington enfrenta Pequim em muitas questões e está na linha de frente no que toca a denunciar a política chinesa em Xinjiang.

As autoridades chinesas estão a reforçar o seu controlo em nome da luta contra o terrorismo nesta região parcialmente desértica, afectada durante muito tempo por ataques atribuídos a membros da etnia muçulmana uigur.

Mais de um milhão de pessoas, principalmente muçulmanas, foram internadas em “campos”, de acordo com organizações de defesa dos direitos humanos.

A República Popular da China afirma que os locais são “centros de formação profissional”, cujo objectivo é ajudar as pessoas a encontrar um trabalho e a afastá-las do extremismo religioso.

Be the first to comment

Leave a Reply

Your email address will not be published.


*


This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.