Coreia do Norte abateu sul-coreano nas suas águas territoriais

Soldados norte-coreanos atiraram e mataram um homem, que se acredita ser um desertor sul-coreano, depois de o interrogar na água. Em seguida, regaram o seu corpo com gasolina para o queimar por medo de contaminação pelo novo coronavírus, informou esta quinta-feira o Exército sul-coreano. O homem é o primeiro cidadão sul-coreano morto por militares norte-coreanos no prazo de uma década.

O caso ocorre numa altura em que Pyongyang se encontra em alerta máximo devido à Covid-19 e em que as relações entre as duas Coreias estão estagnadas.

O homem, que trabalhava na indústria pesqueira, desapareceu na segunda-feira a bordo de um barco-patrulha que navegava perto da ilha sul-coreana de Yeonpyeong, informou à AFP um oficial do Exército sul-coreano. Yeonpyeong está localizada a um quilómetro e meio da fronteira marítima com a Coreia do Norte.

Mais de 24 horas depois, as forças norte-coreanas localizaram-no nas suas águas territoriais e interrogaram-no a partir de um barco-patrulha, de acordo com a mesma fonte. A agência de notícias sul-coreana Yonhap afirmou que a pessoa que o questionou usava equipamento de protecção.

O homem foi morto cerca de seis horas depois de ser encontrado, de acordo com o oficial sul-coreano: “Eles balearam-no enquanto ele se encontrava na água”, de acordo com militar entrevistado pela AFP. “Os soldados norte-coreanos regaram-no com gasolina e queimaram-no” e explicaram que queriam evitar qualquer risco de contaminação pelo novo coronavírus.

O homem usava colete salva-vidas e os seus sapatos foram encontrados no barco sul-coreano em que navegava, disse a mesma fonte à AFP, sugerindo que ele entrou na água por vontade própria: “Obtivemos informações segundo as quais ele expressou, durante o interrogatório, a sua intenção de desertar”, acrescentou.

O oficial recusou-se a fornecer detalhes sobre a fonte das informações.

Sabe-se que o Exército sul-coreano intercepta ligações de rádio das forças do Norte.

Ordem para matar

De acordo com a Yonhap, que cita autoridades sul-coreanas, a ordem para atirar foi dada por “uma autoridade superior”. O ministério da Defesa da Coreia do Sul condenou o acto, que chamou de “escandaloso”: “Advertimos solenemente a Coreia do Norte que toda a responsabilidade por este incidente lhe pertence”, acrescentou num comunicado.

Pyongyang, particularmente vulnerável a um surto de coronavírus devido ao seu precário sistema de saúde, afirma que até agora não registou nenhum caso de covid-19 no seu território.

O país fechou as fronteiras com a República Popular da China, a sua principal aliada, no final de Janeiro. Em julho, a imprensa oficial norte-coreana colocou o país em alerta máximo devido ao novo coronavírus.

Naquele mesmo mês, um desertor norte-coreano que tinha fugido para o Sul três anos antes voltou ao seu país , ao atravessar  ilegalmente a “linha de demarcação” que serve de fronteira com a Coreia do Sul. O episódio levou as autoridades norte-coreanas a ordenar o confinamento da cidade fronteiriça de Kaesong, por medo de que o homem  pudesse estar contaminado.

O comandante das forças norte-americanas na Coreia do Sul, o general Robert Abrams, disse que Pyongyang instruiu os militares a “atirar para matar” na sua fronteira com a China para evitar um surto de coronavírus no seu território.

O homem morto a tiro esta semana é o primeiro sul-coreano a ser morto pela Coreia do Norte em mais de dez anos.

Em Novembro de 2010, o Exército de Pyongyang bombardeou a ilha sul-coreana de Yeonpyeong, matando quatro pessoas, dois civis e dois soldados.

Poucos meses antes, um navio de guerra, o “Cheonan”, foi atingido por um torpedo, segundo Seul, por um submarino norte-coreano, matando 46 marinheiros. Pyongyang sempre negou qualquer envolvimento.

Em 2008, uma turista sul-coreana foi morta por um soldado norte-coreano enquanto caminhava por uma área proibida perto do Monte Kumgang.

Be the first to comment

Leave a Reply

Your email address will not be published.


*


This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.