Trump pode vir a enfrentar investigação por fraude fiscal

O procurador distrital de Manhattan disse na segunda-feira que pode ter motivos para investigar o presidente dos Estados Unidos da América, Donald Trump, e as suas empresas por fraude fiscal. Cyrus Vance procura convencer um tribunal federal a conceder o acesso às declarações de impostos de Trump.

A equipa do procurador distrital Cyrus Vance fez o argumento numa petição ao 2º Tribunal de Recurso de Manhattan, quatro dias antes do tribunal avaliar o pedido de Trump para bloquear a intimação feita por Vance em 2019 para obter as declarações do presidente. 

Os procuradores dizem que a “montanha” de acusações públicas de má-conduta, incluindo declarações erróneas de propriedades empresariais, poderiam justificar um inquérito por um Grande Júri sobre possível fraude fiscal, fraude securitária e falsificação de registos empresariais. 

“Mesmo se o Grande Júri estiver apenas a testar a veracidade das acusações públicas, tais informações, em conjunto, justificam completamente o escopo da intimação”, escreveu a equipe de Vance, sem acusar Trump ou as suas empresas de qualquer irregularidade.

Jay Sekulow, um dos advogados de Trump, recusou-se a comentar a petição.

Entre as informações citadas pelo gabinete de Vance estão alegações de que Trump, de forma rotineira, enviava declarações financeiras a credores que inflacionavam os seus activos e omitia dívidas atreladas a propriedades.  Entre 2004 e 2014 o presidente terá pago 400 milhões de dólares em dinheiro vivo por “cinco casas, oito campos de golfe e uma propriedade vitivinícola”, apesar de possuir milhares de milhões de dólares em dívidas. 

Há também o caso do  antigo advogado pessoal de Trump Michael Coen, que se declarou culpado das acusações de financiar a campanha, entre outras acusações, e depôs no Congresso, dizendo que era comum nas Organizações Trump a falsificação de declarações quando procurava obter empréstimos.

Vance tinha dito anteriormente que a sua investigação também estava relacionava com casos de “possível conduta criminal extensa e prolongada” nas Organizações Trump, incluindo possíveis fraudes ao nível de segurança ainda fraudes bancárias perpetradas pela empresa e pelos seus funcionários.

Trump, que é republicano, disse que a intimação de Vance – um democrata – à empresa responsável pela sua contabilidade pessoal e empresarial nos últimos oito anos, a Mazars USA, devido às suas declarações de impostos era “altamente vaga” e feita de má fé, servindo apenas para o assediar.

O presidente apresentou o argumento depois do Supremo Tribunal dos EUA rejeitar em Julho um pedido anterior por imunidade contra investigações criminais enquanto estivesse na Casa Branca. 

Be the first to comment

Leave a Reply

Your email address will not be published.


*


This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.