Airbus apresenta conceitos de aviões movidos a hidrogénio

A Airbus apresentou, esta segunda-feira, três conceitos de aviões movidos a hidrogénio. A empresa espera colocar em serviço uma aeronave comercial com emissões zero em 2035, numa altura em que cresce a consciência junta da opinião pública a favor de transportes não poluentes.

O sector aeronáutico, atingido pelo coronavírus e difamado pelo movimento “flygskam” (vergonha de apanhar o avião) devido às suas emissões de CO2 – 2 a 3 por cento das emissões mundiais, de acordo com o sector –  está a tentar avançar rapidamente rumo à “descarbonização” dos transporte aéreo.

“Esperamos desempenhar um papel de liderança na transição mais importante que a nossa indústria verá”, afirma num comunicado Guillaume Faury, presidente executivo da Airbus, grupo que deseja “tornar-se líder na descarbonização da indústria aeronáutica”.

A fabricante europeia estuda três conceitos de aeronaves, todas movidas a hidrogénio e nomeadas “ZEROe”, “emissões zero”. O motor de hidrogénio não emite poluentes, já que produz apenas vapor de água.

O primeiro é um reactor turbo “de configuração clássica”, segundo explica Guillaume Faury ao jornal Le Parisien. Com capacidade para 120 a 200 passageiros – o equivalente a um A220 ou um A320 – e uma autonomia de mais de 3.500 km, o avião deverá mover-se tendo por base uma turbina de gás com hidrogénio, armazenado em tanques localizados na parte traseira da fuselagem.

“O coração dos motores de um avião é uma turbina de gás” na qual o querosene vaporizado é queimado, explicou o director-geral da aviação civil (DGAC) francesa, Patrick Gandil. E para fazer combustão com hidrogénio, “quase tão energética quanto o combustível clássico”, são necessárias apenas, segundo ele, pequenas modificações.

O segundo conceito é um avião de alcance regional turboélice (de hélice) que poderia transportar até 100 passageiros a uma distância de 1.800 km.

O terceiro conceito é uma asa voadora com uma capacidade e autonomia semelhantes ao conceito do reactor turbo.

Tanque criogénico

“A fuselagem excepcionalmente larga oferece múltiplas possibilidades para armazenar e distribuir hidrogénio, bem como para o condicionamento da cabine”, explica a Airbus.

Segundo Candil, é principalmente no armazenamento e no seu transporte que reside a dificuldade de se utilizar hidrogénio.

O hidrogénio requer quatro vezes o espaço de armazenamento do querosene e, acima de tudo, deve ser liquefeito a -250 graus

Os tanques criogénicos devem também resistir à pressão e ter forma cilíndrica ou esférica, “por isso não podem ser colocados nas asas, como é feito actualmente” explica Patrick Gandil.

As exigências abrem caminho para um sem fim de mudanças na forma do avião, além de implementar motores sob as asas.

A Airbus, o grupo de motores Safran, assim como a comparticipada Arianegroup e Onera, avaliam desde o início do ano o uso do hidrogénio na aviação.

Todo esse processo vai demorar cerca de sete anos, de acordo com Guillaume Faury: “Portanto, a implementação do programa está prevista para perto de 2028. A nossa ambição é ser o primeiro fabricante a colocar este dispositivo em serviço até 2035”.

Este calendário corresponde ao objectivo de um “avião neutro em carbono” estabelecido pelo governo francês, que prevê dedicar 1,5 mil milhões  de euros  até 2022 em apoios ao sector da aviação.

Muitos Estados europeus já fizeram do hidrogénio um dos principais eixos para o futuro desenvolvimento do sector aéreo.

Be the first to comment

Leave a Reply

Your email address will not be published.


*


This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.