Forma de transmissão do vírus. Um intenso debate desde o início da pandemia

A forma de transmissão do vírus responsável pela COVID-19 motivou um intenso debate científico desde o início da pandemia, embora as numerosas provas acumuladas salientaram a relevância dos contágios por via aérea.

Um recente relatório do Conselho Superior de Investigações Científicas (CSIC) de Espanha, que revê a literatura científica acumulada durante a actual crise sanitária, analisa as formas de transmissão do vírus e recorda que mais de duzentos cientistas já pediram à Organização Mundial da Saúde (OMS) que tivesse em conta a importância da transmissão aérea.

Os cientistas do organismo espanhol salientaram, tendo em conta os relatórios científicos, que o contacto diretco entre pessoas não é um requerimento necessário para a transmissão do coronavírus.

Os estudos, recorda o CSIC neste relatório, demonstraram já que o vírus se pode manter no ar durante horas, e que a distância física de um metro e meio poderá mesmo não ser suficiente para evitar a sua transmissão.

Os investigadores incidiram assim na importância de melhorar os sistemas de circulação do ar, os ares condicionados, e de usar máscaras também em ambientes ou lugares de trabalho fechados.

O site do Centro para o Controlo e Prevenção de Doenças (CDC) americano adverte há vários dias que o contágio do coronavírus acontece por inalação do vírus, ao se respirar as gotículas ou partículas que uma pessoa emite ao respirar, falar, espirrar, tossir ou rir.

O vírus também contagia quando as pessoas tocam na boca, nariz ou olhos depois de se estar em contacto com superfícies contaminadas, assinalou o CDC, embora indique “esta não é a principal via de transmissão do vírus”.

Esta informação – já validada por diversos estudos científicos – é a razão pela qual o uso de máscaras é obrigatório em todo o mundo e a base da obrigatoriedade da restrição de capacidade nos sítios fechados.

Este organismo americano, encarregado de informar e educar a opinião pública para prevenir o contágio de doenças, concluiu que quanto mais estreitamente uma pessoa com COVID-19 interagir com outras e quanto mais longa for essa interação, maior será o risco de propagação do vírus.

Be the first to comment

Leave a Reply

Your email address will not be published.


*


This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.