Covid-19. Macau vai adquirir 1,4 milhões de vacinas

As autoridades de Macau anunciaram esta segunda-feira a intenção de adquiri 1,4 milhões de vacinas, valor que permite que cada residente do território tenha duas doses à sua disposição. A informação foi avançada por Leong Iek Hou, coordenadora do Centro de Doenças Infecciosas, na conferência de imprensa de balanço do Centro de Coordenação de Contingência do Novo Tipo de Coronavírus.

A responsável confirmou que o Executivo assinou um protocolo com a Organização Mundial de Saúde para se associar ao programa Covax, coordenado pelo organismo. As autoridades locais assinaram ainda um segundo acordo com a Aliança Mundial para Vacinas e Imunização e está ainda em contacto com vários outros fornecedores, noticiou a emissora em língua portuguesa da Rádio Macau.

Apesar dos acordos assinados, Macau pode ser um dos derradeiros territórios a receber uma eventual vacina, uma vez que a Organização Mundial de Saúde vê como prioritária a imunização das população nos países onde a incidência de Covid-19 é mais elevada, o que não é propriamente o caso da RAEM:  “A situação epidémica está mais atenuada, mas as vacinas são sempre uma prioridade no nosso trabalhos de prevenção da epidemia. Na semana passada já foi negociado ou assinado um protocolo com a Organização Mundial de Saúde e também com a Gavi. Isto significa que vamos comprar vacinas para os cidadãos de Macau”, anunciou, citada pela Rádio Macau. “Actualmente, além de comprar vacinas através da Organização Mundial de Saúde, ainda estamos a negociar com outros fornecedores. O número total de compra de vacina será suficiente para todos os cidadãos de Macau. Serão duas vacinas para cada pessoa. Actualmente queremos comprar 1,4 milhões de vacinas, mas os detalhes ainda estão em negociação; serão publicados depois”, complementou Leong Iek Hou.

Tudo na mesma


A coordenadora do Centro de Doenças Infecciosas adiantou ainda que o Governo ainda não tomou qualquer decisão sobre a eventual adopção de medidas de prevenção e controlo à epidemia divididas por categorias e zonas. A possibilidade tinha sido avançada pela secretária para os Assuntos Sociais e Cultura, Elsie Ao Ieong, tendo por base medidas similares tomadas na China continental.
Leong Iek Hou defendeu que é preciso encontrar “equilíbrio” na implementação de uma medida destas. “Na prática é muito difícil e poderá certamente afectar a deslocação de cidadãos ao trabalho ou à escola. Se for demasiado pormenorizado pode trazer consequências, um outro efeito reverso”, notou Leong Iek Hou, acrescentando que estão a ser auscultadas opiniões. “Assim que tivermos uma decisão final iremos divulgar”, assegurou a responsável.

Macau está há 87 dias sem registar qualquer caso de infecção pelo novo coronavírus. Nos hotéis do território há ainda 927 pessoas em quarentena.

Be the first to comment

Leave a Reply

Your email address will not be published.


*


This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.