Medicina tradicional chinesa e títulos de dívida, a receita para diversificar a economia

A aposta num mercado financeiro através da emissão de títulos de dívida e o investimento na indústria da medicina tradicional chinesa são as duas grandes prioridades do Governo para depender menos das receitas do jogo, revelou  na sexta-feira o Executivo.

“Impulsionar o desenvolvimento financeiro, particularmente na intensificação da emissão de títulos de dívida” e “desenvolver intensamente a indústria da medicina tradicional chinesa” foram prioridades avançadas por Ho Iat Seng durante um encontro com líderes regionais. O chefe do Executivo deslocou-se esta semana a Hainão para a cimeira dos líderes das províncias do Pan-Delta do Rio das Pérolas e das duas Regiões Administrativas Especiais de Macau e de Hong Kong.

Nos encontros e reuniões que manteve esta semana, Ho Iat Seng afirmou que o território continua a fazer da diversificação da economia o seu principal desígnio. A estratégia tornou-se ainda mais premente devido à crise em que a pandemia de Covid-19 mergulhou a espinha dorsal da economia do território, a indústria do jogo.

 “A epidemia veio expor as deficiências da indústria única de Macau, por isso, disse considerar necessário impulsionar o desenvolvimento da diversificação da economia”, pode ler-se num comunicado das autoridades em que o chefe do Executivo se encontrou com o governador da província de Jiangxi. A ideia foi reiterada na quinta-feira, durante um encontro com o governador de Fujian.

Ho Iat Seng explicou também aos seus interlocutores que Macau prepara-se para avançar com o lançamento de uma bolsa de valores. As autoridades locais têm vindo a salientar que a emissão dos títulos de dívida do Estado constitui um novo ponto de partida para o desenvolvimento das actividades de gestão de fortunas em Macau.

A hipótese de Macau criar um bolsa de valores está também em sintonia com o papel que o território tem assumido enquanto plataforma de serviços para a cooperação comercial entre a China e os países de língua portuguesa, assim como para a prestação de serviços financeiros entre Pequim e o seus parceiros do bloco lusófono

Em Outubro último, o Banco da China em Macau realizou emissões de obrigações ‘verdes’ no valor de sete mil milhões de yuan em três moedas (dólar, euro e renmimbi) “que incluíram clientes lusófonos”, indicou à agência Lusa a instituição. A  mesma entidade bancária, avançaram as autoridades locais, emitiu agora 3,5 mil milhões de obrigações ‘azuis’.

No caso das obrigações ‘verdes’ a emissão de títulos de dívida serve para financiar projectos ‘amigos’ do ambiente, as ‘azuis’ têm por objectivo desenvolver a economia marítima.

No que diz respeito à outra prioridade definida por Ho Iat Seng, Macau conta já com um Parque Científico e Industrial de Medicina Tradicional Chinesa, um dos projectos localizado na ilha de Hengqin, sendo que esta é uma aposta de Pequim para conquistar os mercados internacionais.

A estratégia de ‘exportação’ da Medicina Tradicional Chinesa para os países lusófono, utilizando também Portugal como porta de entrada para a Europa e Moçambique como um laboratório para a África tem sido, de resto, um dos eixos centrais de actuação definido pelas autoridades do território em 2019.

Be the first to comment

Leave a Reply

Your email address will not be published.


*


This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.