Washington quer Marinha “mais letal” para enfrentar a China

O secretário de Defesa dos Estados Unidos da América, Mark Esper, anunciou na quarta-feira a expansão da Marinha norte-americana para que fique “mais letal” e possa fazer frente ao expansionismo da República Popular da China na bacia da Ásia/Pacífico.

O chefe do Pentágono declarou que está em andamento uma grande revisão do poder naval norte-americano para ampliar a frota de guerra para mais de 355 navios. Actualmente, são 293.

O plano, baptizado de “Future Forward” exigirá milhares de milhões de dólares de investimento, que serão injectados no orçamento da Marinha até 2045. A iniciativa tem como objectivo final a supremacia nos mares sobre a China, considerada a principal ameaça por parte de Washington.

“A futura frota será mais equilibrada na sua capacidade de produzir efeitos letais a partir do mar, no mar e debaixo de água”, declarou Esper, num discurso proferido na Califórnia.

A expansão incorporará “mais e melhores” navios de superfície, mais submarinos e barcos autónomos e não tripulados. O plano também prevê a aquisição de novos porta-aviões não tripulados.

O Pentágono quer contar com uma frota mais apta para conflitos de alta intensidade, projectar o poder e a presença dos Estados Unidos e realizar ataques mais precisos a partir de longas distâncias.

Esper reiterou que a China é a principal ameaça para os Estados Unidos e que a região da bacia da Ásia/Pacífico é um “palco prioritário” para as forças armadas americanas: “A região não é só importante por ser um núcleo do comércio mundial, mas também por ser o epicentro da competição de poder com a República Popular da China”, disse o secretário de Defesa dos Estados Unidos da América.

Um relatório do Pentágono sobre a Marinha chinesa revelou que Pequim tem a maior força naval do mundo, com 350 navios e submarinos.

Esper lembrou, porém, que alcançar o objectivo de fortalecer a Marinha vai  exigir um grande esforço orçamental.

Be the first to comment

Leave a Reply

Your email address will not be published.


*


This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.