Trabalho forçado. H&M rompe relações com fornecedor chinês

A gigante sueca da moda H&M anunciou na terça-feira a decisão de  romper relações com um produtor chinês devido a alegações de que a empresa recolhe a “trabalho forçado” envolvendo a minoria uigur na província chinesa de Xinjiang.

A multinacional sueca disse que não está disposta a trabalhar com nenhum fabricante de roupas da região e garantiu não vai adquirir mais algodão com origem em  Xinjiang, região de onde é oriunda a maior fatia do algodão exportado pela República Popular da China.

Um relatório do Instituto Australiano de Política Estratégica (ASPI), publicado em Março, apontou a H&M como uma das beneficiárias de um programa de trabalhos forçados devido ao relacionamento que mantém com a fabricante de fios tingidos Huafu, que possui uma fábrica na província de Anhui, no leste da República Popular da China.

A H&M disse num comunicado que não tinha nenhuma relação com a fábrica de Anhui, nem com as operações da Huafu em Xinjiang. No entanto, o grupo sueco reconheceu que tinha uma “relação comercial indirecta com uma fábrica” localizada em Shangyu, na província de Zhejiang, que pertence ao universo da Huafu Fashion.

“Embora não haja nenhum sinal de trabalho forçado nesta fábrica de Shangyu, enquanto não tivermos mais informações sobre as acusações de que a empresa recolhe a trabalho forçado, decidimos encerrar o relacionamento comercial que mantemos com a Huafu Fashion Co, independentemente da situação nos próximos 12 meses”, acrescentou.

O grupo afirma que fará “uma investigação em todas as fábricas de roupas com as quais trabalha na China”.

Os uigures, minoria muçulmana que fala um idioma aparentado ao turco, constituem o principal grupo étnico de Xinjiang, uma imensa região que faz fronteira com o Afeganistão e o Paquistão.

Os países ocidentais e várias organizações internacionais acusam Pequim de perpetrar uma perseguição em grande escala contra os uigures e de ter internado arbitrariamente mais de um milhão de muçulmanos de Xinjiang em campos de reeducação.

Be the first to comment

Leave a Reply

Your email address will not be published.


*


This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.