“Made in Hong Kong” vítima das tensões entre Washington e Pequim

Em Hong Kong, os funcionários da fábrica de molhos Koon Chun têm trabalhado a contrarrelógio para cobrir centenas de milhares de garrafas com um novo rótulo “Made in China”, prova de que essa popular marca de Hong Kong é vítima das tensões sino-americanas.

Fundada há um século, a empresa familiar sobreviveu a uma guerra mundial, a inúmeras crises económicas e ao lento desaparecimento da indústria manufactureira de Hong Kong, em benefício da força de trabalho muito menos cara da China continental. Produz molhos de soja e de ostra que são muito apreciados em restaurantes chineses em todo o mundo.

Mas, a partir de Novembro, para serem vendidos nos Estados Unidos, os produtos importados de Hong Kong devem ter a inscrição “Made in China”.

Esta medida foi imposta por Washington em resposta à nova e draconiana lei de segurança nacional que Pequim passou a aplicar no território semiautónomo.

As novas indicações foram anunciada em Julho pela alfândega dos Estados Unidos, dois dias antes de 1.300 caixas de molhos Koon Chun embarcarem para Atlanta.

Da noite para o dia, os funcionários foram forçados a colar os novos rótulos em todas as mercadorias destinadas aos Estados Unidos: “Era uma missão impossível”, disse Daniel Chan à AFP, na fábrica fundada em 1928 pelo seu avô.

A adopção da lei de segurança chinesa é vista como a resposta de Pequim a meses de manifestações pró-democracia em Hong Kong em 2019.

Repercussões económicas

A revogação em Julho, como represália, do status comercial preferencial acordado pelos Estados Unidos a Hong Kong tem graves consequências.

As repercussões económicas foram imediatas na antiga colónia britânica, que já se encontrava em recessão.

E os produtos “Made in Hong Kong” foram os primeiros a serem afectados.

Chan, que estudou em Harvard, nos Estados Unidos, esperava que o cenário político mudasse em Hong Kong, mas não tão rápido: “Imaginava que algo aconteceria por volta de 2047, data oficial do fim do princípio ‘Um país, dois sistemas'”, diz Chan, referindo-se ao acordo de devolução que garantiu a Hong Kong 50 anos de liberdades desconhecidas na República Popular da China.

Os 90 colaboradores da empresa tiveram que se adaptar à mudança e agora têm de fabricar novos rótulos em que a menção “Made in Hong Kong” é substituída por “Made in China”.

As empresas obtiveram, porém, uma prorrogação depois do secretário do Comércio de Hong Kong, Edward Yau, ter anunciado a decisão de Washington de adiar a regulamentação da nova rotulagem até novembro.

Mas o responsável ameaçou os Estados Unidos com uma acção na Organização Mundial do Comércio (OMS). Afirmou ainda que as exportações para os Estados Unidos de produtos de Hong Kong representaram apenas 400 milhões de dólares em 2019, ou seja, menos de 0,1 por cento das exportações do território.

Mas Chan não vê as coisas dessa forma, já que metade de sua mercadoria é destinada aos Estados Unidos da América, onde a marca é especialmente apreciada pela diáspora chinesa.

E quando pensa no futuro, Chan teme que outros mercados internacionais sigam o exemplo: “Em 20 ou 30 anos, as pessoas terão apenas ‘Made in China’ e esquecerão Hong Kong”, lamenta, antes de acrescentar: “Isso tudo é muito triste”.

Be the first to comment

Leave a Reply

Your email address will not be published.


*


This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.