Alimentos ultraprocessados favorecem envelhecimento biológico

Os alimentos industrializados ultraprocessados são práticos, mas, de acordo com os investigadores, favorecem o envelhecimento biológico se consumidos com frequência.

O estudo, que possibilitou medir um marcador do envelhecimento biológico – o comprimento de componentes genéticos chamados telómeros – em 886 espanhóis de mais de 55 anos, levando em conta o seu consumo diário de alimentos ultraprocessados, sugere que uma má dieta alimentar pode fazer com que as células envelheçam de forma mais rápida.

Os participantes, divididos em quatro grupos, desde os grandes consumidores de alimentos ultraprocessados (três ou mais por dia) até os mais moderados (menos de dois), tiveram amostras de saliva colhidas, que foram analisadas geneticamente, e partilharam dados relativos ao consumo diário de alimentos.

A ciência já estabeleceu uma relação entre os alimentos ultraprocessados – a maioria muito gordurosos, doces ou salgados – com doenças como a obesidade, a hipertensão, a diabetes e alguns tipos de cancro. Os grandes consumidores deste tipo de alimento praticamente dobraram o risco de ter telómeros curtos em comparação com os que consumiam menos, segundo o estudo, apresentado no Congresso Europeu e Internacional sobre Obesidade (Ecoico 2020), que se realiza on-line entre hoje e 4 de setembro.

Os telómeros são estruturas protectoras que preservam a estabilidade e integridade do nosso património genético e, portanto, do DNA necessário para o funcionamento de cada célula do corpo. Quando envelhecemos, tornam-se mais curtos, porque, cada vez que uma célula se divide, perde uma pequena porção do telómero. Este fenómeno repete-se, dando lugar à senescência, ou envelhecimento biológico das células, que deixam, então, de se dividir e funcionar normalmente. O comprimento dos telómeros é considerado um marcador da idade biológica a nível celular.

São necessários mais estudos para confirmar estas observações, segundo os autores, antes de se poder estabelecer uma relação de causa e efeito.

Os alimentos ultraprocessados costumam conter aromas, corantes, emulsificantes e produtos manipulados, como gordura hidrogenada e amido modificado. Os participantes que consumiam estes alimentos em maior quantidade eram mais propensos a possuir histórico familiar de doenças cardiovasculares, diabetes e gorduras sanguíneas anormais e de petiscar entre as refeições. Também consumiam mais gordura – incluindo saturada -, fast-food e carnes processadas, bem como menos frutas e verduras.

O estudo, realizado por Lucía Alonso-Pedrero e colegas sob a direcção de Amelia Martí, da Universidade de Navarra (Pamplona, Espanha), foi publicado na “American Journal of Clinical Nutrition”

Be the first to comment

Leave a Reply

Your email address will not be published.


*


This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.