Tailândia. Autoridades prendem cinco activistas pró-democracia

As forças de segurança tailandesas prenderam esta quinta-feira um músico e quatro activistas pró-democracia na sequência dos protestos que ao longo das últimas semanas têm abalado a capital tailandesa e exigem a demissão do Governo. Entre as personalidades hoje detidas está Dechathorn Bamrungmuang, um membro influente do movimento “Rap Contra a Ditadura”.

Os detidos, que deverão ser indiciados pelo crime de sedição, exigiram a renúncia do primeiro-ministro tailândes. Os manifestantes sustentam que Prayuth Chan-ocha é incompetente e corrupto.

As acções de protesto, impulsionadas por milhares de estudantes das maiores universidades da Tailândia, constituem a maior vaga de contestação de que Chan-ocha é alvo desde que o general chegou ao poder, em 2014, na sequência de um golpe militar. O líder do Governo manteve-se no cargo na sequência das polémicas eleições que decorreram no ano passado e que foram marcadas por acusações de fraude.

Os manifestantes têm confrontado o Executivo tailandês com três exigências básicas: realização de novas eleições, emendas à constituição imposta pelos militares e fim da intimidação dos críticos do Governo.

Alguns dos estudantes que estão na origem da vaga de contestação geraram polémica no início do mês, quando expandiram as suas reivindicações originais e criticaram publicamente a monarquia constitucional na Tailândia, tendo divulgado um manifesto de dez pontos no qual pediram reformas.

A acção não tem precedentes no país, uma vez que a monarquia é considerada sacrossanta, com a legislação a prever penas de prisão até 15 anos para qualquer pessoa considerada culpada de difamar o rei ou de colocar em causa a instituiçãoo.

A organização não-governamental Human Rights Watch (HRW) já veio exigir que as autoridades tailandesas retirem todas as acusações e libertem os activistas pró-democracia detidos desde o início dos protestos.

“As repetidas promessas do Governo tailandês de ouvir vozes dissidentes provaram ser desprovidas de sentido, à medida que a repressão aos activistas pró-democracia continua inabalável”, criticou o director da Human Rights Watch para a Ásia, Brad Adams.

Na quarta-feira, cerca de 400 alunos, vestidos com uniforme escolar e fitas brancas, um símbolo do protesto, juntaram as suas vozes ao movimento anti-governamental e fizeram saudações com três dedos, um sinal de resistência ‘importado’ do filme “Hunger Games”.

A imagem e a credibilidade do Governo liderado por Prayuth Chan-ocha foi manchada por escândalos de corrupção pelos quais ninguém foi responsabilizado e a economia está em crise, algo que já era visível antes das medidas tomadas para enfrentar a pandemia e que devastaram a indústria do turismo, a principal fonte de receitas do país.

Be the first to comment

Leave a Reply

Your email address will not be published.


*


This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.