Impasse com a China será longo, avisa Nova Deli

O Ministério da Defesa da Índia alertou, num comunicado que posteriormente foi retirado do seu portal electrónico, que o impasse militar que mantém com a China por causa de uma vasta área de fronteira deve ser longo. O aviso chega numa altura em que os dois países já se reuniram por várias ocasiões para tentar atenuar as tensões na região do Himalaias.

O Ministério acusou, numa actualização sobre o trabalho desenvolvido em Julho e que agora foi removida, as forças chinesas de violar a fronteira nas regiões de Kugrang Nala e Gogra e na costa norte do lago Pangong Tso, no território indiano de Ladakh, a 17 e 18 de Maio.

Nova Déli lembrou ainda que um “conflito violento”, depois da invasão, matou 20 dos seus soldados na região oeste do Himalaias.

Foi o pior episódio de violência entre os gigantes asiáticos em quase cinco décadas. A República Popular da China acusa o lado indiano de cruzar a fronteira e provocar os seus soldados: “Embora o engajamento e o diálogo ao nível militar e diplomático continue a chegar a consensos mutuamente aceitáveis, o actual impasse deve prolongar-se”, afirmou o Ministério da Defesa indiano, no agora removido comunicado.

Um porta-voz do ministério não respondeu aos pedidos de comentário solicitados pela agência Reuters.

O líder de oposição Rahul Gandhi diz que o governo de Nova Deli não está a ser  sincero sobre a situação na fronteira, especialmente depois do primeiro-ministro, Narendra Modi, ter dito que “ninguém invadiu nossa fronteira, ninguém está lá agora, e nenhuma das nossas posições foi capturada”:

“Esqueçam a ideia de confrontar a China, o primeiro-ministro da Índia não tem coragem nem de mencionar o nome deles (chineses)”, twitou Gandhi. “Negar que a China está em território que nos pertence e remover documentos da Internet  não vai mudar os factos.”

Be the first to comment

Leave a Reply

Your email address will not be published.


*


This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.