Advogados de Meng Wanzhou acusam Canadá de se mancomunar com o FBI

Os advogados da directora financeira da Huawei, detida no Canadá no final de 2018 a pedido dos Estados Unidos da América, exigiram na segunda-feira que se tornem públicos documentos dos serviços secretos que, segundo eles, comprovam uma trama entre o FBI e as autoridades canadianas para incriminar Meng Wanzhou.

Durante uma audiência por videoconferência no Tribunal Federal de Ottawa, os advogados de Meng , filha do fundador da gigante tecnológica chinesa, apresentaram uma nova acção para tentar impedir que sua cliente seja extraditada para os Estados Unidos da América.

Os causódicos exigiram que seja revelada a versão completa de vários documentos elaborados antes e depois da prisão de Meng, a 1 de Dezembro de 2018, no aeroporto de Vancouver. Uma versão resumida desses registos já foi divulgada.

Os advogados estimam que os documentos comprovam uma conspiração entre as autoridades dos dois países da América do Norte. Meng foi presa a pedido de um tribunal dos EUA, onde é acusada de ter violado as sanções americanas contra o Irão. A prisão provocou uma crise diplomática sem precedentes entre Ottawa e Pequim.

Scott Fenton, um dos advogados de Meng, lembrou esta segunda-feira que a sua cliente foi interrogada por três horas no aeroporto de Vancouver, sem saber os motivos, antes de ser oficialmente detida. De acordo com Fenton, a detenção  constitui uma violação de seus direitos que justifica o fim do processo de extradição: “Ela nem sequer foi clarificada sob as razões que levaram à sua detenção”, disse o advogado na segunda-feira. “Ela foi enganada”, sustenta o causídico.

O representante do Departamento de Justiça Robert Frater opôs-se à publicidade de uma versão completa dos documentos. O responsável negou qualquer “conspiração” com o FBI, acusações, segundo ele, baseadas em “conclusões ultrajantes extraídas de declarações vazias”.

Em depoimento perante o tribunal de Vancouver em Julho, um responsável do Ministério dos Negócios Estrangeiros disse que a divulgação dos documentos poderia “reacender as tensões” entre Ottawa e Pequim e colocar os canadianos em risco.

Dias depois da prisão de Meng em Vancouver, dois cidadãos canadianos,  Michael Kovrig, antigo diplomata e o seu colega, o consultor Michael Spavor, foram detidos na China, acusados de espionagem em meados de Junho.

Estas prisões são amplamente vistas no Ocidente como medida de retaliação pela prisão de Meng. A audiência no Tribunal Federal de Ottawa foi adiada e será retomada à porta fechadas na quinta-feira.

Be the first to comment

Leave a Reply

Your email address will not be published.


*


This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.