Presos ou desaparecidos. A triste sina dos intelectuais uigures na China

Há quase dois anos, Aierken Yibulayin foi preso pela polícia em Xinjiang, imensa região de maioria muçulmana do noroeste da China, onde quase meio milhão de intelectuais uigures como ele estão detidos desde 2017, de acordo com uma organizaçãoo não governamental.

Yibulayin publicava milhares de obras e manuais escolares em uigur, o idioma da etnia maioritária em Xinjiang. Desde o dia em que foi detido, em Outubro de 2018, “as nossas vidas foram destruídas”, explicou o seu filho Bugra Arkin, que vive nos Estados Unidos e que garante que os restantes membros  da sua família em Xinjiang estão em prisão domiciliar.

A detenção de Yibulayin não é um caso isolado nessa enorme região do noroeste da China, que desde há muito tempo é palco de tensões entre os uigures e os han.

Pelo menos 435 intelectuais uigures foram detidos ou desapareceram desde Abril de 2017, de acordo com uma associação de defesa dos direitos dos uígures, a Uighur Human Rights Project, com sede em Washington.

As organizações pró-uigures no exterior veem as detenções como uma política deliberada destinada a apagar a identidade cultural desse povo da Ásia central, cujo idioma é aparentado ao turco.

Erradicar a identidade

Outro caso emblemático é o de Alim Hasani, um linguista eminente que, à primeira vista, nada tem de opositor. Este autor de dicionários em uigur foi detido em agosto de 2018 quando efectuou uma viagem a Pequim em trabalho. Desde então, ninguém mais teve notícias dele, relata o filho. Alim Hasani era membro do Partido Comunista Chinês (PCCh).

Hassani terá sido julgado em Janeiro, mas o processo foi provavelmente suspenso, devido à epidemia do coronavírus, de acordo com as últimas informações obtidas pelo filho, que teve de se contentar com informações em segunda mão.

A mãe, que continua a morar em Xinjiang, “não se atreve a falar sobre o assunto” por telefone, afirmou.

As autoridades chinesas impuseram medidas rigorosas de segurança e controlo em Xinjiang, após uma série de ataques atribuídos a separatistas. De acordo com associações de defesa dos direitos humanos, mais de um milhão de uigures estão presos, ou estiveram em campos de “reeducação política”.

O governo chinês nega as informações e explica que na verdade se trata de “centros de treinamento profissional”, onde os uigures podem aprender o mandarim e se podem afastar de más influências de natureza islâmica.

A sinóloga Jo Smith Finley, da Universidade de Newcastle, sustenta que Pequim está a colocar em prática uma forma de “diluir e depois erradicar a noção de uma identidade uigur separada”.

A visão é categoricamente rejeitada pelo governo chinês: “A ideia de que os intelectuais estão presos para sufocar a cultura uigur é um mero boato e uma difamação”, disse o Ministério dos Negócios Estrangeiros da China em declarações à AFP.

Be the first to comment

Leave a Reply

Your email address will not be published.


*


This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.