Emirados lançam primeira sonda árabe. Destino: Marte

Os Emirados Árabes Unidos estabeleceram um programa de energia nuclear e enviaram um astronauta ao espaço. Agora, desejam integrar outro clube de elite, lançando uma sonda chamada “Hope” para Marte.

Apenas os Estados Unidos, Índia, a ex-União Soviética e a Agência Espacial Europeia colocaram com sucesso sondas na órbita do planeta vermelho. A República Popular da China também se está a preparar para enviar uma, além de um rover.

O Estado federado, formado por sete emirados unificados em 1971 e conhecido pelos seus arranha-céus e ilhas artificiais em forma de palmeira, vai fazer história no contexto do mundo árabe.

A sonda “Al Amal” – “Hope” em inglês – será lançada a partir do centro espacial japonês de Tanegashima a 15 de Julho e chegará à órbita marciana em Fevereiro.

O objetivo da missão é fornecer uma imagem completa da dinâmica meteorológica da atmosfera de Marte e promover avanços científicos.

É o primeiro passo de um projeto mais ambicioso: a construção de uma colónia humana em Marte dos próximos 100 anos.

Uma ponte para o futuro

O mais famoso dos sete emirados, o Dubai, contratou arquitectos para imaginar como seria essa colónia em Marte e vai recriá-la no deserto sob o nome de “Cidade da Ciência”. O projecto deverá custar cerca de 500 milhões de dirhams, mais de 135 milhões de dólares.

Em Setembro de 2019, o emir Hazza al Mansouri  tornou –se o primeiro cidadão árabe a permanecer na Estação Espacial Internacional (ISS), à qual se juntou a bordo de um vaivém russo Soyuz: “Os nossos avós seguiram as estrelas enquanto caminhavam para a glória. Hoje, nossos filhos olham para elas para construir o seu futuro”, disse o governante de Dubai, o xeque Mohamed bin Rachid Al Maktum, na terça-feira.

A jovem nação do Golfo, cuja influência se estende do Iémen à Líbia, passando pelo Corno de África, é apresentada como um actor regional importante.

Já se tornou um centro financeiro e um destino turístico, apesar da desaceleração económica dos últimos anos. É também o primeiro país árabe a ter um programa nuclear civil.

O país, e particularmente  o Dubai, atrai milhões de jovens quadros qualificados de todo o mundo, principalmente do Médio Oriente e do Norte da África.

A federação, criticada por alguns devido à sua intervenção no Iémen, afirma defender a tolerância e acolheu a primeira visita de um papa à Península Arábica: “Os Emirados Árabes Unidos entenderam que o espaço é muito importante para seu desenvolvimento e sustentabilidade. É uma ponte para o futuro”, disse à AFP Mohamed al Ahbabi, director geral da agência espacial do país.

Vetor de mudança

Sarah al Amiri, de 33 anos, ministra de Tecnologias Avançadas e vice-directora do projecto, vê a missão como “uma mensagem de esperança para a região, um exemplo do que é possível usar os talentos da juventude e de maneira positiva”.

“Investimos no espaço há mais de 15 anos (…) e trata-se de colocar o nosso talento a serviço do resto da região”, disse à AFP a partir de Tóquio.

Após a missão Marte, os Emirados anunciaram que estão a abrir as portas para jovens dos países árabes poderem participarem num programa espacial de três anos: “Podem vir, ganhar experiência, ser vectores de mudanças para toda a região. Não podemos dizer que a região é instável e permanecer passivos”, afirmou a ministra.

No Dubai, o Centro Espacial Mohamed Bin Rashid (MBRSC) foi o ponta de lança do projetco, envolvendo cerca de 450 pessoas.

Be the first to comment

Leave a Reply

Your email address will not be published.


*


This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.