Macau. Mais de 1900 pessoas ainda cumprem quarentena

Mais de 1.900 pessoas ainda se encontram a cumprir um período de quarentena de catorze dias no território, disseram este sábado as autoridades, um dia depois de os Serviços de Saúde terem diagnosticado o 43.º caso importado de infecção pelo novo coronavírus.

Das 1.933 pessoas em quarentena em 12 hotéis, “1.715 são residentes, 181 trabalhadores não residentes e 37 visitantes”, afirmou a representante dos Serviços de Turismo, Inês Chan, na conferência de imprensa diária do Centro de Coordenação de Contingência do Novo Tipo de Coronavírus.

Sobre os 33 actuais casos da covid-19, o médico do Centro Hospitalar Conde São Januário Lo Ick Long lembrou que um é considerado grave, adiantando que em relação aos restantes 32, considerados doentes ligeiros, 17 têm pneumonia e 15 não.

A maioria dos casos, jovens e sem doenças crónicas, foi diagnosticado numa fase muito inicial da infecção, logo na chegada a Macau ou durante o período de quarentena, tendo por isso iniciado de imediato o tratamento, indicou.

Por outro lado, na primeira ronda de casos – os primeiros 10 –  foi usado “um medicamento contra a sida”, enquanto para os doentes diagnosticados a partir de meio de Março está a ser usado também “um medicamento anti-malário”, referiu.

Na sexta-feira, a Direcção dos Serviços de Saúde identificou mais um caso importado de covid-19, o que elevou para 43 o número total de infectados no território.

Após Macau ter estado 40 dias sem identificar qualquer infecção, a partir de meados de Março foram identificados 33 novos casos, todos importados.

Em Fevereiro, Macau registou uma primeira vaga de 10 casos da covid-19, já todos com alta hospitalar. Após a detecção de novos casos, as autoridades reforçaram as medidas de controlo e restrições fronteiriças, assim como a obrigatoriedade de quarentena de 14 dias imposta a praticamente todos aqueles que entrem no território.

O novo coronavírus, responsável pela pandemia do novo coronavírus, já infectou mais de um milhão de pessoas em todo o mundo, das quais morreram mais de 57 mil.

Depois de surgir na República Popular da China, em Dezembro, o surto espalhou-se por todo o mundo, o que levou a Organização Mundial da Saúde (OMS) a declarar uma situação de pandemia.

Be the first to comment

Leave a Reply

Your email address will not be published.


*


This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.