França encomendou dois mil milhões de máscaras e ainda quer mais

A França encomendou cerca de dois mil milhões de máscaras a fabricantes da República Popular da China para combater a disseminação do novo coronavírus, anunciou o ministro da Saúde da França, Olivier Véran.

“Devemos estar perto de dois mil milhões de exemplares de máscaras já encomendadas à China, mas vamos continuar a encomendar mais”, disse o ministro, em entrevista ao jornal online Brut. “Os pedidos que fizemos para máscaras são muito maiores do que os que recebemos” e estão sujeitos a uma “competição mundial”, sublinhou, lembrando os esforços da França para, ao mesmo tempo, aumentar a sua produção nacional de máscaras de protecção.

Na quarta-feira, Olivier Véran assegurou que a França tinha encomendado “mais de 1,5 mil milhões de máscaras no país e no estrangeiro”, durante uma audição por videoconferência na nova comissão de investigação da Assembleia Nacional francesa sobre a gestão governamental da crise.

O ministro francês também foi questionado sobre a evolução das recomendações das autoridades de saúde, que agora aconselham a população a usar “máscaras alternativas” em tecido, enquanto as de uso médico devem ser reservadas para quem tem mais necessidade, ou seja, para profissionais de saúde e doentes.

Segundo Olivier Véran, a pandemia vai obrigar a uma mudança de “comportamentos sanitários” em França e noutros países, onde o uso de máscaras pelo público em geral não era, até agora, generalizado, sendo mesmo, às vezes, mal visto, ao contrário do que já acontecia em alguns países asiáticos: “Temos de ser capazes de produzir máscaras para pessoas que não são cuidadoras, pessoas de segunda linha, que entrarão em contacto com o público ou, no futuro, para protecção de todos. Estamos a discutir isso com o conselho científico, com especialistas em virologia, agências de saúde, e vamos pedir que reavaliem a doutrina”, adiantou.

O novo coronavírus, responsável pela pandemia da covid-19, já infectou mais de 1,2 milhões de pessoas em todo o mundo, das quais morreram mais de 59 mil.

Dos casos de infecção, mais de 211 mil são considerados curados.

Depois de surgir na República Popular da China, em Dezembro, o surto espalhou-se por todo o mundo, o que levou a Organização Mundial da Saúde (OMS) a declarar uma situação de pandemia.

O continente europeu, com cerca de mais de 603 mil infectados e mais de 43 mil mortos, é aquele onde se regista o maior número de casos, e a Itália é o país do mundo com mais vítimas mortais, 14.681 óbitos em 119.827 casos confirmados até este sábado.

A Espanha é o segundo país com maior número de mortes, registando 11.744, entre 124.736 casos de infecção confirmados até hoje, enquanto os Estados Unidos da América, com 7.159 mortos, são o que contabiliza mais infectados (278.458).

A República Popular da China, sem contar com os territórios de Hong Kong e Macau, conta com 81.638 casos e regista 3.326 mortes. As autoridades chinesas anunciaram 19 novos casos e mais quatro mortes.

Além de Itália, Espanha, Estados Unidos e República Popular da China, os países mais afectados são França, com 6.507 mortos (83.165 casos), Reino Unido, com 3.605 mortos (38.168 casos), Irão, com 3.294 mortos (53.183 casos), e Alemanha, com 1.158 mortes (85.778 casos).

Be the first to comment

Leave a Reply

Your email address will not be published.


*


This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.