Missionários por um ano. Novas regras para futuros diplomatas do Vaticano

Os futuros diplomatas do Vaticano devem ser missionários por um ano durante a sua formação, de acordo com uma decisão do papa Francisco esta segunda-feira divulgada.

O Vaticano publicou a carta de Francisco a Joseph Marino, presidente da Academia Pontifícia Eclesiástica, responsável pela formação da equipa diplomática da Santa Sé, determinando que seja incluído no currículo um ano de missão numa igreja local.

“Estou convencido de que essa experiência pode ser útil para todos os jovens que iniciam o serviço sacerdotal, mas de uma forma particular, para aqueles que no futuro serão chamados a colaborar com os representantes pontifícios e, posteriormente, poderão ser enviados da Santa Sé”, escreve Francisco.

O papa argentino já tinha expressado no seu discurso final no Sínodo da Amazónia a importância de os diplomatas passarem um ano nas zonas mais carenciadas do mundo: “Para a Europa, que precisa acordar; para África, sedenta de reconciliação; para a América Latina, sedenta de comida e interioridade; para a América do Norte, determinada a redescobrir as raízes de uma identidade que não se define a partir da exclusão; para a Ásia e Oceania, desafiada pela capacidade de dialogar com a vastidão das culturas ancestrais”, acrescenta o pontífice.

Para o papa Francisco, os futuros diplomatas da Santa Sé, “além da sólida formação sacerdotal e pastoral” e da especificidade da academia, precisam “de uma experiência missionária pessoal fora da diocese de origem”: “Estou certo de que, uma vez superadas as preocupações iniciais que possam surgir diante desse novo estilo de formação dos futuros diplomatas da Santa Sé, a experiência missionária a ser promovida será útil não apenas para jovens académicos, mas também para as Igrejas e indivíduos com quem colaborarão “, conclui.

Be the first to comment

Leave a Reply

Your email address will not be published.


*


This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.