Coronavírus pode sobreviver nove dias em objectos contaminados, reiteram investigadores

Um novo estudo, publicado no Journal of Hospital Infection, conclui que o novo coronavírus pode sobreviver, à temperatura ambiente, até nove dias em superfícies e objectos inanimados se estes não tiverem sido desinfectados. Alguém que mantenha contacto directo com uma superfície contaminada poderá ser infectado, sustentam os responsáveis pelo estudo.

“Com base nos dados actuais disponíveis, mas principalmente nos dados relativos ao coronavírus responsável pela SARS, que é o mais parecido ao novo coronavírus – com 80 por cento de semelhança em termos genéticos – entre os coronavírus testados. Para o coronavírus da SARS, o intervalo de persistência nas superfícies dura entre menos de cinco minutos a nove dias”, afirma Charles Chiu, director do Centro de Descoberta e Diagnóstico Viral da USCF-Abbott, em declarações à CNN. 

O investigador acrescenta, porém, que são necessários mais estudos sobre o novo coronavírus para “estabelecer a duração que pode ter em diferentes superfícies”.

Centro de Controlo e Prevenção de Doenças (CDC) nota que os coronavírus se espalham com mais frequência a partir de gotículas respiratórias, através da tosse ou dos espirros: “Pode ser possível que uma pessoa fique infectada com o COVID-19 ao tocar numa superfície ou num objecto que contenha o vírus e, em seguida, tocando na sua própria boca, nariz ou nos olhos, mas achamos que essa não é a principal forma de propagação do vírus”, pode ler-se no portal electrónico do organismo.

De acordo com o estudo agora divulgado, a limpeza com produtos domésticos comuns pode fazer a diferença. Isto porque o coronavírus pode ser inactivado de forma eficiente através de procedimentos de desinfecção das superfícies com soluções contendo 62-71 por cento de etanol, 0,5 por cento de peróxido de hidrogénio ou 0,1 por cento de hipoclorito de sódio. A lixívia é um dos métodos de desinfecção mais eficazes, confirmam os investigadores.

Apesar das semelhanças entre o novo coronavírus e os cinco outros coronavírus que afectam humanos, existem também algumas diferenças.

“Ao que parece, o COVID-19 não é tão mortal como os outros coronavírus, incluindo os responsáveis pela SARS e pela MERS”, referiu Tedros Adhanom Ghebreyesus, director-geral da Organização Mundial da Saúde, acrescentando que “mais de 80 por cento dos pacientes acometidos de sintomas leves recuperam”: “Em cerca de 14 por cento dos casos, o vírus causa complicações graves, incluindo pneumonia e falta de ar. E cerca de cinco por cento dos pacientes têm complicações críticas, como insuficiência respiratória, choque séptico ou falência múltipla dos orgãos”, complementa o responsável. 

Ainda que a taxa de mortalidade pelo novo coronavírus seja menor do que a que a associada à SARS e à MERS, Neil Ferguson, professor do Imperial College em Londres, comparou o surto à pandemia de gripe espanhola de 1918: “É uma preocupação significativa a nível global”, disse Ferguson, sublinhando que o mundo ainda não entendeu verdadeiramente a gravidade deste surto.

 O investigador acredita que a taxa de mortalidade será provavelmente menor devido a casos mais leves que ainda não foram identificados, mas destaca que os novos vírus se espalha muito mais rapidamente em comparação com outros surtos recentes.

Com o aumento do número de infectados e num esforço para conter o vírus, o Banco Central da China tomou medidas como desinfectar e armazenar o dinheiro em circulação, dado que este muda de mãos várias vezes ao dia.

Be the first to comment

Leave a Reply

Your email address will not be published.


*


This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.