Malaca. Residentes do “kampung portugis” criticam arrendamentos ilegais

Representantes da comunidade luso-descendente de Malaca afirmaram à agência Lusa que espaços de restauração no bairro português em Malaca estão a ser indevidamente arrendados a pessoas que não pertencem à comunidade lusodescendente.

Pelo menos quatro restaurantes, num total de 10, foram subarrendados por pessoas externas à comunidade do Bairro Português em Malaca, onde se estima viverem ainda entre mil a dois mil lusodescendentes em cerca de 180 casas, denunciou o regedor cultural do Bairro português em Malaca, Martin Theseira.

Também Joseph Santa Maria, que representa a minoria luso-malaia perante o estado de Malaca, confirmou à agência Lusa a existência destes casos, que estão a gerar revolta dentro da comunidade. O Governo local determina o arrendamento destes espaços exclusivamente à comunidade lusodescendente, explicou Joseph Santa Maria.

“O Governo não pode permitir esta transferência a pessoas de fora da comunidade”, frisou o regedor cultural do Bairro português em Malaca, cidade onde em 1509 Diogo Lopes Sequeira, enviado do rei D. Manuel, aportou para estabelecer relações e dois anos mais tarde Afonso de Albuquerque desembarcou, demolindo a Grande Mesquita e levantando no local uma fortaleza que seria um importante entreposto comercial, durante cerca de 100 anos, até à tomada da cidade pelos holandeses.

As denúncias já chegaram ao presidente da câmara de Malaca, Mansor Sudin, que assegurou, em declarações ao jornal The Malaysian Insight, que vai investigar o caso: “Se estas denúncias forem verdadeiras, o Conselho Histórico da Cidade de Malaca vai encerrar os contratos com os inquilinos”, prometeu o autarca.

Os dois lusodescendentes mostraram-se satisfeitos com a tomada de posição do autarca de Malaca: “Protegendo o interesse da comunidade, o Governo tomará uma acção se alguém vender ou alugar o espaço a um empresário que não seja português de Malaca. É uma notícia positiva para a comunidade”, defende Joseph Santa Maria.

Este caso só acontece porque membros da comunidade decidiram trespassar os restaurantes a pessoas que não pertencem ao bairro. Quanto a isso, o regedor cultural mostrou-se compreensivo e solidário para com estes membros da comunidade: “Não tinham dinheiro e decidiram fazer isto”, afirmou.

Para além da ilegalidade destes casos, a perda da autenticidade gastronómica nestes restaurantes é vista também como um problema sério a que a comunidade não pode virar as costas. “Quem não é da comunidade não cozinha como nós e por isso a autenticidade gastronómica vai-se perder”, afirmou Theseira.

Para além da gastronomia, a comunidade do bairro português em Malaca mantém ainda vivas muitas tradições e costumes portugueses, como kristang, uma crioulo de matriz portuguesa agora ameaçada de extinção, que emprega a maior parte do seu vocabulário do português, mas a sua estrutura gramatical é semelhante ao malaio e extrai as suas influências de línguas de origem sínica ou indiana.

Outro dos laços que esta comunidade ainda mantém com Portugal são as tradições católicas, que fazem parte da identidade cultural desta população como por exemplo o Natal e as festas de São Pedro, celebradas no final de Julho.

Be the first to comment

Leave a Reply

Your email address will not be published.


*


This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.