Hong Kong. Protestos fizeram arrefecer mercado imobiliário mais caro do mundo

A agitação social e política vivida durante o ano passado na vizinha Região Administrativa Especial de Hong Kong fez cair o preço médio dos novos imóveis para o valor mais baixo dos últimos quatro anos, noticiou esta a imprensa local.

Face a 2018, o preço das casas a estrear na antiga colónia britânica, conhecida por ter o mercado imobiliário mais caro do mundo, caiu 25 por cento no ano passado para 10,87 milhões de dólares de Hong Kong (1,3 milhões de euros), refere o jornal South China Morning Post.

Especialistas do sector imobiliário preveem, de acordo com a mesmo publicação, um novo declínio nos preços da habitação em 2020, com algumas previsões a indicarem uma queda de 15 por cento.

A habitação no território vizinho atingiu preços exorbitantes nos últimos anos, tornando Hong Kong a cidade mais cara do mundo para a aquisição de imóveis.

A dificuldade de acesso à habitação é um dos motivos da agitação social na cidade, palco de protestos anti-governamentais que entraram agora no oitavo mês e que começaram contra uma polémica proposta de alterações à lei de extradição.

Meses de protestos, por vezes violentos, colocaram a economia de Hong Kong em recessão pela primeira vez numa década, devido à queda nas importações e exportações, nas vendas a retalho e no recuo no número de turistas.

O sector imobiliário é um dos motores económicos da antiga colónia britânica e o efeito dos protestos é impressionante: o sub-índice formado pelas principais empresas do sector na Bolsa de Hong Kong caiu 12,6 por cento, do seu pico em 2019, em Abril, até ao final do ano.

Be the first to comment

Leave a Reply

Your email address will not be published.


*


This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.