Hong Kong. Nova jornada de protesto termina com dezenas de detenções

Milhares de residentes de Hong Kong voltaram este domingo às ruas da cidade para protestar contra comerciantes e interesses da China continental que se estabeleceram nas imediações da fronteira com o Continente. A iniciativa terminou com dezenas de pessoas detidas pela polícia.

Embora o protesto tenha começado pacificamente, ao final da tarde alguns manifestantes saíram do percurso combinado e lançaram cocktails molotov contra os agentes, o que os levou a retaliar com gás lacrimogéneo.

A intervenção terminou com dezenas de detidos, noticiou a imprensa local.

Os manifestantes reuniram-se em Sheung Shui, a apenas alguns minutos de carro da fronteira chinesa, onde os moradores locais se queixam há anos dos transtornos causados por comerciantes da República Popular da China, que ali se deslocam para adquirir produtos que depois revendem no continente.

A prática, conhecida como “comércio paralelo”, permite que os comerciantes lucrem com as diferenças de preços entre a China continental e Hong Kong, que, ao contrário do Continente, não cobra impostos sobre bens e serviços.

Como consequência, os residentes de Sheung Shui ficam em pior situação, já que o distrito foi inundado por esse tipo de comércio informal e muitas lojas antigas fecharam, tendo sido substituídas por farmácias e lojas de cosméticos, os negócios mais procurados pelos compradores do Continente.

O protesto passou pelas principais ruas de Sheng Shui, onde os manifestantes entoaram slogans contra os clientes da República Popular da China que durante a última década têm cruzado a fronteira para recolher produtos do dia-a-dia, leite em pó para bebés, cosméticos ou bombons de chocolate, que revendem depois na China.

“Devemos dizer a estes comerciantes que esta é a nossa casa”, disse um residente ao jornal South China Morning Post.

Os manifestantes instaram o Governo a limitar o número de turistas chineses que visitam a cidade para evitar o aumento do custo dos produtos vendidos no distrito, especialmente antes do Festival da Primavera ou do Ano Novo Chinês, que este ano se assinala a 25 de Janeiro.

O conselheiro distrital pró-democrático Chan Yuk-ming, um dos organizadores dos protestos deste domingo, disse ao mesmo jornal que os moradores locais foram forçados a sair às ruas porque o Governo não está a tomar medidas para resolver o problema: “Deveria ser sua responsabilidade regular os comerciantes, mas todo o peso recai sobre nós”, disse Chan.

Os protestos chegaram às ruas de Hong Kong de forma massiva em 9 de Junho por causa de um controverso projecto de lei de extradição, entretanto retirado pelo Governo, mas transformaram-se num movimento de luta em defesa da democracia e contra o autoritarismo de Pequim.

No entanto, os meses de protestos colocaram a economia de Hong Kong em recessão pela primeira vez em uma década, depois de se contrair 2,9 por cento no terceiro trimestre, afectada pelas quedas das importações e exportações, das vendas a retalho e pelos números decrescentes do turismo.

Be the first to comment

Leave a Reply

Your email address will not be published.


*


This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.