Delegação da Caritas Portuguesa visita Macau na próxima semana

Fotografia: Eugénio Fonseca, o presidente da Caritas Portuguesa, lidera a delegação que vai visitar o território na próxima semana,

Uma delegação da Caritas Portuguesa vai estar no território na próxima semana, com o propósito de discutir os contornos do memorando de entendimento recentemente assinado com a Caritas de Macau. A informação foi avançada a “O Clarim” pelo Secretário-Geral da organização no território, que adiantou ainda que a comitiva lusa deverá manter encontros com membros da comunidade portuguesa radicada na Região Administrativa Especial.

A cooperação entre a Caritas de Macau e a Caritas de Portugal esteve praticamente interrompida durante os últimos vinte anos, após a transferência de soberania do território entre os Governos de Lisboa e de Pequim. O restabelecimento de relações foi discutido durante o derradeiro encontro mundial da Caritas, que decorreu em Roma. Depois da abordagem realizada na capital italiana, Paul Pun Chi Meng deslocou-se a Lisboa, onde assinou um memorando de cooperação com a direcção da congénere portuguesa. O protocolo prevê a dinamização de projectos conjuntos em vários países lusófonos: “Durante a minha última visita a Portugal, em Outubro, assinamos com a Caritas Portuguesa um memorando de entendimento ou protocolo. Vamos trabalhar em conjunto no desenvolvimento e reforço da capacidade de intervenção em alguns países lusófonos. Eu convidei a direcção da Caritas para vir a Macau de forma a que possamos reforçar este diálogo e para que possamos perceber de que forma podemos desenvolver alguns dos projectos que mencionava”, explicou o Secretário-Geral da Caritas Macau. “A comitiva portuguesa vai estar em Macau entre oito e 11 de Janeiro. Durante estes dias, espero conceder-lhes a oportunidade de se reunirem com a comunidade portuguesa e com algumas das pessoas que trabalham com a Caritas. O nosso propósito passa ainda por definir alguns dos projectos que vamos tentar desenvolver em conjunto”, complementa Pun Chi Meng.

A delegação da Caritas Portuguesa é liderada por Eugénio Fonseca e inclui ainda um outro membro da direcção e um responsável pelo pelouro das relações internacionais. Ao abrigo do protocolo de cooperação recentemente firmado, a Caritas do território e a Caritas Macau deverão trabalhar em conjunto no reforço da capacitação de estruturas em outros países e regiões lusófonas, como é o caso de Timor-Leste e de São Tomé e Príncipe: “Vamos procurar impulsionar a capacidade de intervenção das nossas congéneres em alguns países lusófonos. A Caritas Internacional introduziu recentemente regras e padrões de gestão. Estes padrões têm de ser implementados em diferentes nações, mas também em diferentes. Alguns dos países de língua portuguesa querem melhorar a sua capacidade de gestão e, como tal, pediram a ajuda da Caritas Portuguesa que, por sua vez, nos abordou. Ao abrigo deste plano de cooperação vamos agora procurar perceber em que área podemos trabalhar em conjunto com a Caritas Portuguesa”, adianta Paul Pun. “Discutimos a possibilidade de trabalharmos em conjunto em países como São Tomé e Príncipe e em Timor Leste, em projectos para os quais esses países possam necessitar de ajuda no que diz respeito à capacidade de intervenção”, ilustra o responsável pela Caritas Macau, em declarações a “O Clarim”.

Para além de São Tomé e Príncipe e de Timor-Leste, o protocolo deverá abranger ainda a Guiné-Bissau, disse o presidente da Caritas Portuguesa à agência Lusa em meados de Dezembro. Eugénio Fonseca explicou ainda à agência noticiosa portuguesa que o memorando de entendimento recentemente assinado prevê que a Caritas local apoie projectos em Portugal, nomeadamente no apoio social a pessoas em situação laboral precária: “Vamos contar com o apoio da Caritas de Macau para projectos internos, nomeadamente no apoio a desempregados”, explicou o dirigente.

Fonseca explicou também que o organismo liderado por Paul Pun se disponibilizou também para financiar projectos no âmbito do ensino e da divulgação da língua chinesa. De acordo com o presidente da Caritas Portugal, a Caritas Macau está disposta a apoiar programas de ensino do mandarim, com o propósito de atrair novos alunos ou de ajudar os que têm dificuldades.

Numa fase inicial, o fluxo de cooperação far-se-á em sentido único, disse o presidente da Caritas Portuguesa à agência Lusa. Eugénio Fonseca salientou que, em Macau, a intervenção por parte da Caritas Portuguesa não se prefigura como necessária. Desafogado em termos financeiros, o organismo que tem Paul Pun como secretário-geral mostrou disponibilidade para ajudar as “paupérrimas” congéneres da Guiné-Bissau e de São Tomé e Príncipe, confirma Eugénio Fonseca. O propósito, acrescenta o dirigente português, é ajudar na capacitação das estruturas para que os organismos dos dois países de expressão portuguesa se possam candidatar a projectos e obter fundos. (Artigo originalmente publicado em língua inglesa no Semanário

Be the first to comment

Leave a Reply

Your email address will not be published.


*


This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.