“Não fugi da justiça. Libertei-me da injustiça”, diz Ghosn

O ex-presidente da Nissan, Carlos Ghosn,encontra-se refugiado na sua casa de infância no Líbano, adiantou esta terça-feira e imprensa japonesa. O gestor franco-brasileiro fugiu do que considera ser um sistema de justiça “fraudulento” no Japão. A fuga para o Líbano suscita questões sobre a forma como um dos mais reconhecidos executivos do mundo escapou da prisão domiciliar a que estava confinado.

A partida abrupta de Ghosn marca a mais recente reviravolta numa saga que se prolonga há mais de um ano e que abalou a indústria automobilística global, ameaçou a aliança da Nissan com a principal accionista Renault e lançou um olhar crítico sobre o sistema judicial do Japão.

“Agora estou no Líbano e não serei mais refém de um sistema judicial japonês fraudulento, em que se presume culpa, a discriminação é desenfreada e os direitos humanos básicos são negados”, disse Ghosn, de 65 anos, num breve comunicado publicado na terça-feira.

“Não fugi da justiça. Escapei da injustiça e da perseguição política. Agora posso finalmente comunicar livremente com a imprensa e estou ansioso para começar na próxima semana.”

As autoridades de Tóquio defenderam anteriormente que o sistema judicial não é desumano e que Ghosn, que está a ser julgado por acusações de má conduta financeira, negadas pelo ex-presidente da Nissan, foi tratado como qualquer outro suspeito.

Be the first to comment

Leave a Reply

Your email address will not be published.


*


This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.