Tanzânia. Morre rinoceronte mais velho do mundo, aos 57 anos

Uma fêmea de rinoceronte, considerada o espécime mais velho do mundo, morreu aos 57 anos numa área de conservação da Tanzânia, disseram as autoridades do país.

Fausta, uma rinoceronte negra fêmea, morreu de causas naturais em cativeiro na sexta-feira na cratera de Ngorongoro, disse o órgão de conservação do Estado.

“Dados mostram que Fausta viveu (mais tempo) que qualquer rinoceronte no mundo e sobreviveu em Ngorongoro, em liberdade, por mais de 54 anos antes de ser mantida em um cativeiro nos últimos três anos de vida”, afirmou a Autoridade de Conservação da Área de Ngorongoro num comunicado.

Fausta foi localizada pela primeira vez em 1965, quando tinham três a quatro anos de idade por um cientista. A sua saúde deteriorou-se a partir de 2016 por causa de ataques de hienas e ela foi colocada num área fechada, onde permaneceu durante três anos em cativeiro.

A expectativa de vida dos rinocerontes é de cerca de 40 anos em liberdade, mas os exemplares da espécie podem viver uma década mais em cativeiro, de acordo com o organismo responsável pelo organismo de Conservação da Área de Ngorongoro.

Dizimados pela caça ilegal, os rinocerontes negros foram reduzidos a apenas 5.500 de acordo com a organização Save The Rhino. Menor das duas espécies africanas, os rinocerontes negros encontram-se no sul e no leste da África, incluindo no Quénia, na Tanzânia, na Namíbia, na África do Sul e no Zimbawe.

Be the first to comment

Leave a Reply

Your email address will not be published.


*


This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.