O “madeiro místico” vai arder de novo no sopé da Freita

Fotografia: A aldeia de Vilar, concelho de Vale de Cambra, está situada no sopá da Freita, a uma altitude de cerca de 800 metros. Este domingo recupera uma tradição secular, a da “Queima do Nataleiro”.

Madeiro, cepo, lenho, galheiro, toro do Galo ou tição de Natal. A tradição é secular e é designada por uma miríade de nomes um pouco por toda a Europa. Na parte norte do concelho de Vale de Cambra, aos pés da Serra da Freita, o madeiro é conhecido pelo nome de “Nataleiro” e este domingo vai arder de novo, no lugar de Vilar. 

Ninguém sabe dizer ao certo quando é que as labaredas da fogueira do Galo deixaram de queimar no coração da aldeia, mas o costume sobrevive incólume nas lareiras de cada um. A 24 de Dezembro, depois do sol se pôr e antes da família se sentar à mesa para a Ceia de Natal, os homens fazem-se ao caminho e invadem matos, valados e barrancos com uma missão: a de encontrar um raro exemplar de carvalho-cerquinho – nem muito jovem, nem muito velho – do qual se extrai o “nataleiro”, um cepo que se colocava  a arder entre a noite de Consoada e o dia de Reis e ao qual eram atribuídas propriedades mágicas: “Na aldeia ia-se pelas cavadas com o intuito de se avistar um carvalho cerquinho e lá se cortava um tronco, que se deitava ao lume e se tornava no ‘Nataleiro”, explica Olinda Tavares. “Terminado o período de Natal,  guardava-se o ‘Nataleiro’ e só se punha a queimar quando vinha trovoada. Contavam os antigos que onde chegasse o fumo do “Nataleiro” não cairiam “pedrinhas”, ou seja, os relâmpago”, ilustra a antiga moradora, actualmente emigrada em França. 

A Fogueira do Galo arde este domingo a partir das 16 horas e faz-se acompanhar pelo cantar das Janeiras e por um leilão.

Tradição ancestral ligada a rituais pagãos de origem celta, associados à celebração do solstício de Inverno, o “Nataleiro” subsiste na zona serrana do concelho de Vale de Cambra como um costume familiar, mas a Associação Cultural e Desportiva de Vilar e a Comissão de Festas de Nossa Senhora da Boa Viagem querem recuperar a faceta comunitária do ritual e vão promover este domingo, 29 de Dezembro, a queima pública do Nataleiro, uma celebração que se faz acompanhar por um leilão e por um outro costume enraízado na região, o da cantar das Janeiras. Em leilão deverão estar vários exemplares do místico madeiro, num expediente que tem por objectivo angariar recursos financeiros para as festas em honra de Nossa Senhora da Boa Viagem, agendadas para o terceiro fim-de-semana de Agosto. 

Recolhidos na Noite de Consoada, os cepos que vão estar na origem do “madeiro místico” conhecida na região por “nataleiro”.

A exemplo do que sucede na Beira Alta ou em regiões como a Galiza, o que resta do cepo é preservado para acender o “nataleiro” no ano seguinte, num ritual que tem por propósito manter intactas as qualidades místicas do madeiro: “Em Vilar, ao cozer a bacalhoada da Consoada queima-se o que resta do “Nataleiro” do ano anterior e acende-se o novo “Nataleiro”, recorda Olinda Tavares. “O toro deve ficar ao lume o tempo de ouvir uma missa , indo depois  todos as noites ao lume até ao Dia de Reis”, complementa. 

Para além de acalmar as trovoadas, acreditava-se que a queima do lenho natalício favorecia as colheitas, protegia o gado e fomentava a fertilidade e a saúde nas mulheres. Nas antigas tradições pagãs indo-europeias, a queima do madeiro era sinónimo de regeneração e “da destruição do velho para dar lugar ao novo”. 

Costume ainda bastante arreigado na Beira Alta, no norte de Portugal e na Galiza, a queima do lenho manifesta-se com contornos muito próprios em países e regiões como as ilhas britânicas, os Balcãs, a Alemanha, o norte de Itália e a Catalunha, onde é conhecido por designações tão diversas como “ceppo di Natale”, “yule log”, “christklotz”, “badnjak” ou “tió de Nadal”. 

A designação pela qual é conhecida no concelho de Vale de Cambra, aos pés da serra da Freita parece ser exclusiva da região: o “nataleiro” faz-se este domingo tradição pública e arde junto à capela de Nossa Senhora da Boa Viagem a partir das 16 horas.

Be the first to comment

Leave a Reply

Your email address will not be published.


*


This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.