Voltface na Guia. Michael Rutter declarado vencedor do Grande Prémio de Motos

Fotografia: Expediente Sínico

É uma reviravolta com quase tantas curvas como as que tem o Circuito da Guia. A Comissão Organizadora do Grande Prémio de Macau reverteu ao final da tarde deste sábado a decisão de não atribuir a vitória a nenhum dos pilotos que participaram na 53a edição do Grande Prémio de Motos de Macau e declarou Michael Rutter como vencedor da corrida. O veterano piloto britânico, que seguia na liderança do pelotão na volta anterior à interrupção da prova, conquistou uma inédita nona vitória nas curvas e contra-curvas da Guia.

A edição de 2019 do Grande Prémio de Motos de Macau ficou marcada por múltiplas quedas e pela entrada em cena por duas ocasiões da bandeira vermelha. O português André Pires despediu-se da competição antes ainda da corrida ter sido interrompida pela primeira vez, fruto de um pequeno despiste na zona do gancho da Melca.

A primeira interrupção da atribulada corrida que ofereceu a Michael Rutter um histórico nono triunfo no traçado urbano do território ocorreu à quarta das doze voltas regulamentares, quando Rob Hodsen (JGH Racing) perdeu o equilíbrio e arrastou consigo o checo Marek Cerveny (Wepol Racing). A pista esteve interrompida cerca de 20 minutos para que a pista pudesse ser limpa e a prova foi reiniciada para que pudessem ser disputadas as oito voltas que faltava cumprir.

No recomeço, Peter Hickman (BMW S 1000 RR) – que dominou as sessões de treino e de qualificação – ao longo do fim-de-semana – e seguia na liderança da prova antes da primeira interrupção, foi surpreendido na travagem para a primeira curva por Michael Rutter. O veterano, de 47 anos, cumpriu a sua 25a participação no Grande Prémio de Macau aos comandos de uma Honda RC213V-S.

Rutter cumpriu pouco mais de uma volta na liderança. A sete voltas do final, imediatamente na circunvalação seguinte, Hickman regressou à liderança, alcançando uma ligeira vantagem sobre o adversário. Momentos depois, um aparatoso acidente envolvendo seis pilotos levou a nova interrupção da corrida decisiva do 53o Grande Prémio de Motos. Estiveram envolvidos na ocorrência o finlandês Ermo Kostamo, Derek Sheils, Michael Sweeney, Phillip Crowe, Didier Grams e Daniel Krueger. Krueger, Kostamo e Sheils foram transportados para o Centro Hospitalar Conde de São Januário, mas nenhum sofreu lesões que impliquem risco de vida.

Na sequência da interrupção, a Direcção de Prova decidiu anunciar o fim prematuro da corrida, avançando com a inédita decisão de não atribuir a vitória no Grande Prémio de Motos.

A decisão foi alterada já ao início da noite, depois da Comissão Organizadora do Grande Prémio ter analisado a corrida e concluído que foram cumpridas as três voltas necessárias para que seja determinado um vencedor.

Rutter, que seria na liderança da corrida na volta anterior à entrada em cena da segunda bandeira vermelha, foi declarado vencedor.

Através das redes sociais, o agora recordista absoluto de triunfos em duas rodas no Circuito da Guia, mostrou-se surpreendido com a decisão. Apesar de se congratular com a nona vitória no Grande Prémio de Macau, Rutter reconhece que Peter Hickman foi o melhor piloto ao longo da 53a edição do Grande Prémio de Macau. O vencedor da edição de 2018 da prova foi segundo, considera a Comissão do Grande Prémio de Macau. O australiano David Johnson completou as contas do pódio.

Be the first to comment

Leave a Reply

Your email address will not be published.


*


This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.