“China constitui desafio à paz e estabilidade regionais”, sustenta Tsai Ing-wen

A Presidente de Taiwan disse esta quinta-feira que a China tem ameaçado constantemente a ilha, constituindo um “grande desafio” à paz e estabilidade regionais. As acusações chegam numa altura em que Pequim tenta isolar diplomaticamente a Formosa.

“A China usa a fórmula ‘Um país, Dois Sistemas’ para nos ameaçar constantemente, efectua todo o tipo de ataques e ergue desafios virulentos à paz e à estabilidade regionais”, defendeu Tsai Ing-wen, no discurso que marcou o Dia Nacional de Taiwan.

As declarações de Tsai surgem numa altura em que Hong Kong é palco dos maiores protestos pró-democracia desde a transferência da soberania do território do Reino Unido para a República Popular da China, em 1997.

A líder taiwanesa considerou que a contestação social no território vizinho expõe “o fracasso” da fórmula ‘Um país, Dois sistemas’, e prometeu defender a soberania de Taiwan.

Taiwan “não teria espaço para sobreviver se aceitasse a fórmula ‘Um País, Dois sistemas'”, afirmou.

Rejeitar aquela fórmula, que garante o estatuto semi-autónomo de Hong Kong e de Macau, é o “maior consenso entre os 23 milhões de habitantes de Taiwan, independentemente da filiação partidária ou posição política”, sublinhou.

China e Taiwan vivem como dois territórios autónomos desde 1949, altura em que o antigo governo nacionalista chinês se refugiou na ilha, após a derrota na guerra civil frente aos comunistas.

No entanto, Pequim considera Taiwan parte do seu território, e não uma entidade política soberana, e ameaça usar a força caso a ilha declare independência.

Pequim cortou os mecanismos de diálogo com Taipé desde a eleição de Tsai Ing-wen, do Partido Progressista Democrático (DPP, sigla em inglês), pró-independência, em 2016, e afirmou que só aceita voltar atrás se a líder taiwanesa declarar que a ilha é parte da China. Tsai concorre a um segundo mandato nas eleições que se realizam no início do próximo ano.

Em contraste com a parada militar que, no dia 1 de Outubro, assinalou os 70 anos desde a fundação da República Popular da China, em Pequim, com uma demonstração de mísseis balísticos intercontinentais, Taiwan realizou uma celebração mais discreta, que sublinhou a abertura do território, incluindo através da participação de dezenas de imigrantes: “Quando a democracia está sob ameaça, devemos erguer-nos para protegê-la. Como Presidente, devo defender a soberania e assegurar a sobrevivência de Taiwan”, afirmou Tsai.

Desde que Tsai Ing-wen foi eleita Presidente, sete países, incluído São Tomé e Príncipe, cortaram relações diplomáticas com Taipé, que conta agora apenas 15 aliados diplomáticos.

E após o XIX Congresso do Partido Comunista Chinês (PCC), em 2017, as incursões de aviões militares chineses no espaço aéreo da ilha intensificaram-se, levando analistas a considerarem como cada vez mais provável uma invasão por parte da República Popular da China.

No entanto, o apoio militar dos Estados Unidos da América a Taipé tem aumentado, o que constitui outra fonte de tensão entre Washington e Pequim.

Numa demonstração de apoio a Tsai, o senador Ted Cruz, do Partido Republicano, participou esta quinta-feira nas comemorações do Dia Nacional em Taipé.

Tratou-se da primeira participação de um senador norte-americano naquelas comemorações em 35 anos, indicou o Ministério dos Negócios Estrangeiros de Taiwan.

Be the first to comment

Leave a Reply

Your email address will not be published.


*


This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.