Hong Kong. Conselheiro de Estado chinês acusa Ocidente de lançar “achas à fogueira”

O conselheiro de Estado da República Popular da China, Yang Jiechi, acusou esta sexta-feira  os Estados Unidos da América e outros países ocidentais de “atiçarem as chamas” nos protestos em Hong Kong. Para o responsável, o incentivo aos protestos visa minar a prosperidade, estabilidade e segurança da  antiga colónia britânica. 

De acordo com a imprensa estatal chinesa, Yang acusou os Governos ocidentais de se reunirem com altos funcionários e líderes dos protestos e incentivarem as acções: “É preciso salientar que os Estados Unidos e outros Governos ocidentais (…) estão constantemente a alimentar as chamas da situação em Hong Kong”, disse Yang, citado pela agência de notícias oficial chinesa Xinhua.

“A China expressa indignação e firme oposição (…) e exige que parem imediatamente de interferir nos assuntos de Hong Kong”, declarou.

No início desta semana, o antigo chefe do Executivo, Teng Chee-hwa fez acusações semelhantes sobre os Estados Unidos da América e sobre Taiwan, afirmando que estavam por detrás dos distúrbios.

A chefe do Executivo de Hong Kong, Carrie Lam, e outras autoridades e diplomatas chineses fizeram acusações semelhantes, enquanto o chefe do sindicato da polícia de Hong Kong, também citado pela imprensa chinesa, pediu uma investigação sobre o alegado papel dos Estados Unidos nos protestos.

O secretário de Estado norte-americano, Mike Pompeo, descreveu, esta semana, aquelas alegações como “ridículas”: “Eu acho que os protestos são da responsabilidade exclusiva do povo de Hong Kong e julgo que eles estão a exigir que o governo os ouça”, disse Pompeo.

Já o Presidente norte-americano, Donald Trump, ao ser questionado na quinta-feira sobre os protestos, considerou tratarem-se “de motins” e indicou que os Estados Unidos da América vão ficar de fora de um assunto que afirmou ser “entre Hong Kong e a China”.

Governos ocidentais e organizações de defesa dos direitos humanos emitiram já declarações em que expressaram preocupação relativamente à proposta de alteração da lei de extradição e à violência entre a polícia e os manifestantes.

A contestação nas ruas de Hong Kong foi iniciada há dois meses contra uma proposta de lei que permitiria ao Governo e aos tribunais da RAEHK a extradição de suspeitos de crimes para jurisdições sem acordos prévios, como é o caso da China continental.

A proposta foi, entretanto, suspensa, mas as manifestações generalizaram-se e denunciam agora o que os manifestantes afirmam ser uma “erosão das liberdades” na antiga colónia britânica.

Be the first to comment

Leave a Reply

Your email address will not be published.


*


This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.