A mão de Cardinal

Fotografia: Hoje Macau/Sofia Margarida Mota

Paulo Cardinal fez o que fazem as mulheres traídas que dedicaram uma vida de cuidados a um marido marialva e barregão: deixou transbordar a mágoa e a desilusão no momento certo, no que noutros tempos e em outras circunstâncias seria entendido como uma bofetada de luva branca com precisão cirúrgica. 

Com Marcelo Rebelo de Sousa aguardado ao início da noite no território e durante o dia de amanhã no Palácio da Praia Grande, a entrevista concedida aos canais portugueses da TDM e ao jornal Hoje Macau pelo antigo assessor da Assembleia Legislativa é o que nas lides do poker se chama de “royal flush”. Um royal flush, em circunstâncias normais, é uma mão imbatível. Na actual conjuntura, em que o tabuleiro das relações luso-chinesas está há muito inquinado por uma subserviência constrangedora da parte de Lisboa, a mão de Cardinal é pouco mais do que uma incógnita. Se os jornalistas fizerem o que lhes compete – e ainda há alguns a quem vale a pena tirar o chapéu – e souberem confrontar o Chefe de Estado português com as perguntas certas, Marcelo subirá a escadaria das Ruínas de São Paulo com uma pedra no sapato: a do espectro de uma Declaração Conjunta que teima em estragar a vida aos voluntariosos políticos de Lisboa para quem a imensa China, a supra-potência de amanhã, é a nova terra prometida.

Quem vive e trabalha na agora Região Administrativa Especial habituou-se, não sem um certo desencanto, a sorrir e a encolher os ombros perante a superficialidade, o desconhecimento ou o desinteresse com que Lisboa olha para Macau. Ao longo dos últimos vinte anos, sempre que uma alta figura do Estado visita o território, os que cá moram são magnanimamente informados da robustez do princípio “Um País, Dois Sistemas”, uma maravilha da engenharia política que tem permitido – imagine-se lá – que os portugueses se sintam por cá como em casa, que colocou os residentes da RAEM entre os mais prósperos do mundo e que impulsionou até algo nunca antes alcançado, o fomento da língua de Camões deste e do outro lado das Portas do Cerco.

Um royal flush, em circunstâncias normais, é uma mão imbatível. Na actual conjuntura, em que o tabuleiro das relações luso-chinesas está há muito inquinado por uma subserviência constrangedora da parte de Lisboa, a mão de Cardinal é pouco mais do que uma incógnita

Para Lisboa, o facto da ideia de democratização só pontificar, em Macau, nos dicionários é uma circunstância que nem aquece, nem arrefece. O Chefe do Executivo é eleito por 400 predestinados? A Assembleia Legislativa está nas mãos de acólitos nomeados pelo Governo ou eleitos por via indirecta? Os trabalhadores não são livres para se constituir em sindicatos e o direito à greve não está legislado? E então? Nada que roube robustez ao “segundo sistema”, como certamente Marcelo constatará amanhã entre pastéis de nata e bolinhos de bacalhau. Para os engravatados políticos de Lisboa, valem mais cem quilos de carne de porco alentejano num qualquer talho de Shijiazhuang do que o delírio do sufrágio universal.

No discurso político – e cada vez mais no jornalismo – mais que o detalhe e o convite à reflexão, os chavões e as ideias fortes parecem impor-se e cauterizar tudo o mais. Da entrevista concedida na segunda-feira por Paulo Cardinal re-emergem com particular violência o fantasma do saneamento político e do “assassinato de carácter”, mas o fundamental da intervenção do jurista recai sobre um aspecto que nos fundamenta como comunidade: a percepção de que na RAEM da Grande Baía e da iniciativa “Uma Faixa, Uma Rota” – uma Macau cada vez menos voltada para o mundo – discutir os preceitos da Declaração Conjunta ou do princípio “Um País, Dois Sistemas” é cada vez mais inconveniente. 

É fundamental, para a própria salvaguarda da razão de ser da Região Administrativa Especial, que o “royal flush” de Paulo Cardinal chegue à mesa onde Marcelo Rebelo de Sousa tem jogado ao longo dos últimos dias. Se mais não for para que o mestre das selfies e dos abracinhos dê a volta ao incómodo e atire o tabuleiro ao chão. Assim por assim, pode ser que a comunidade se inteire, sem que haja lugar a dúvidas e a ilusões, do que Lisboa lhe reserva.

Be the first to comment

Leave a Reply

Your email address will not be published.


*


This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.