“Diálogo constante” contribui para “estreitamento das relações políticas”, diz Marcelo

O Presidente português salientou esta segunda-feira o “estreitamento das relações políticas” entre Portugal e a República Popular da China, com a passagem “da parceria estratégica para um diálogo constante”, através de um memorando de entendimento.

Marcelo Rebelo de Sousa, que empreendeu esta segunda-feira uma visita de Estado de três dias à República Popular da China, foi recebido esta manhã pelo primeiro-ministro chinês, Li Keqiang, na residência oficial Diaoyutai, em Pequim, num encontro que se prolongou por cerca de meia hora.

Nas declarações iniciais que proferiu, registadas pela comunicação social, o chefe de Estado referiu-se ao “memorando de entendimento para o reforço do diálogo estratégico entre Portugal e a República Popular da China”. O acordo foi formalizado esta tarde, no Grande Palácio do Povo, onde Marcelo foi recebido pelo Presidente chinês, Xi Jinping.

O memorando representa “um passo mais no estreitamento das relações políticas, passando da parceria estratégica para um diálogo constante comum”, afirmou Marcelo Rebelo de Sousa.

Com o acordo, os dois países assumem o desejo de proceder a consultas políticas regulares sobre temas bilaterais e de política internacional e em aumentar os contactos entre as autoridades governativas, com visitas mútuas, uma vez por ano, ora na China, ora em Portugal, ao nível dos ministério dos Negócios Estrangeiros.

Mais tarde, o Presidente da República falou aos jornalistas, no Templo dos Lamas, em Pequim, e disse que o encontro com o primeiro-ministro chinês permitiu “verificar o estado excelente das relações”.

Com a “passagem para um diálogo político permanente”, as relações de Portugal com a República Popular da China ficarão no mesmo patamar em que estão “países como os Estados Unidos da América, por exemplo, ou como a Alemanha ou como a França”, reiterou.

De acordo com Marcelo Rebelo de Sousa, na reunião com Li Keqiang foram abordados “aqueles temas que são naturais no relacionamento entre os dois países, temas bilaterais e temas multilaterais” e também se falou “daquilo que se passa no mundo”.

O programa da visita de Estado de Marcelo Rebelo de Sousa à República Popular da China começou com a deposição de uma coroa de flores no Monumento aos Heróis do Povo, na Praça Tiananmen.

Questionado sobre como viveu esse momento, o chefe de Estado português respondeu que “representou aquilo que é o respeito de valores que são considerados fundamentais pelo país que se visita” e “é aquilo que se faz normalmente em termos protocolares e simbólicos quando se visita um Estado”: “Quando o Presidente Xi Jinping esteve em Portugal, prestou homenagem àquele que cantou os feitos da epopeia, no fundo, imperial e colonial portuguesa. Não esteve a subscrever necessariamente todos esses feitos, mas celebrou o facto, ou pelo menos prestou homenagem a uma realidade que é muito importante para Portugal”, apontou, referindo-se à deposição de uma coroa de flores no túmulo de Camões, no Mosteiro dos Jerónimos, em Lisboa.

Be the first to comment

Leave a Reply

Your email address will not be published.


*


This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.