Filipinas. Dois mortos e quatro feridos em ataque a mesquita

Pelo menos duas pessoas morreram e quatro ficaram feridas numa explosão que ocorreu numa mesquita no sul das Filipinas, três dias depois de um ataque atribuído ao grupo extremista Abu Sayyaf ter visado a catedral de Jolo, informaram esta quarta-feira as autoridades.

Dois homens ainda não identificados lançaram uma granada de mão na mesquita Sitio Logoy Diutay, na cidade de Zamboanga, localizada na mesma região de maioria muçulmana, disse o porta-voz regional do exército à agência de notícias France-Presse.

As vítimas, líderes religiosos de outras províncias próximas que estavam de visita, estavam a dormir quando a explosão ocorreu, disse à agência de notícias Efe o chefe da polícia regional de Zamboanga, Emmanuel Licup.

A polícia está a investigar o possível motivo do ataque, que pode ser uma vingança pessoal entre clãs muçulmanos ou relacionado com o ataque que no domingo fez mais de duas dezenas de mortos e mais de uma centena de feridos.

Na segunda-feira, a polícia das Filipinas abateu a tiro um membro do grupo extremista Abu Sayyaf, precisamente em Zamboanga, tendo sido encontrados explosivos, uma granada de mão e um litro de um produto químico que ainda está a ser analisado.

De acordo com a polícia, Asilon – o extremista abatido – era um membro conhecido do Abu Sayyaf, que jurou lealdade ao grupo extremista Estado Islâmico, que reivindicou o ataque de domingo.

A polícia está a investigar o possível envolvimento de Asilon com a milícia Ajang-Ajang, a facção de Abu Sayyaf na região de Sulu que cometeu o ataque reivindicado pelo Estado Islâmico.

O grupo extremista Abu Sayyaf não está ligado ao processo de paz em curso. Especializado em sequestros, o Abu Sayyaf também é acusado dos piores atentados no arquipélago, em particular o realizado contra um ‘ferry’ que causou mais de 100 mortos em 2004.

Os especialistas consideram que o ataque de domingo –  um dos mais sangrentos dos últimos anos nas Filipinas – pode contrariar anos de esforços de paz que resultaram num referendo local, na semana passada, que validou a criação de uma nova região autónoma denominada Bangsamoro.

Be the first to comment

Leave a Reply

Your email address will not be published.


*


This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.