Governo registou 490 pedidos de exclusão de acesso aos casinos

A Direção de Inspeção e Coordenação de Jogos (DICJ) registou, no ano passado, um total de 490 pedidos de exclusão de acesso aos casinos, mais 23,2 por cento do que em 2017.

De acordo com dados publicados na quarta-feira na página da Direção de Inspecção e Coordenação de Jogos (DICJ), do total dos pedidos de exclusão de acesso aos casinos, 417 foram de auto-exclusão. Os restantes 73 foram submetidos a pedido de terceiros, segundo a entidade reguladora do jogo do território.

Em 2017, tinham sido registados 376 pedidos de exclusão de acesso aos casinos.

Já em 2016, houve 351 pedidos de exclusão de acesso aos casinos, contra 355 em 2015, 280 em 2014 e 276 em 2013.

Ao abrigo da lei, que condiciona a entrada, o trabalho e jogo nos casinos, o diretor da Direcção de Inspecção e Coordenação de Jogos pode interditar a entrada em todos os casinos, ou em apenas alguns, pelo prazo máximo de dois anos, às pessoas que o requeiram ou confirmem requerimento apresentado para este efeito por cônjuge, ascendente, descendente ou parente em 2.º grau.

Macau, capital mundial do jogo e único local na China onde o jogo em casino é legal, registou, em 2018, 302,846 mil milhões de patacas (32,796 mil milhões de euros) em receita do jogo, um aumento de 14 por cento em relação ao período homólogo do ano anterior, de acordo com dados oficiais.

Be the first to comment

Leave a Reply

Your email address will not be published.


*


This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.