Japão ignora críticas e retoma caça à baleia

A frota baleeira japonesa partiu ontem em direcção ao oceano Antárctico, com o propósito de capturar 333 exemplares de baleias minke. Tóquio garante que a campanha tem finalidades científicas, mas as justificações do Executivo nipónico não convencem a Comissão Baleeira Internacional.

O Japão deu esta segunda-feira o pontapé de saída em maus uma temporada de caça à baleia no oceano Antárctico, uma campanha realizada com fins científicos de acordo com as autoridades japonesas e à qual se opõe a Comissão Baleeira Internacional (CBI).

A frota japonesa procura capturar 333 baleias minke em águas do Antárctico, informou o Ministério de Agricultura e Pesca de Tóquio, naquela que é a quarta campanha baleeira do país asiático desde a sua suspensão temporária por causa de uma sentença do Tribunal Internacional de Justiça.

O Governo japonês defende que as campanhas baleeiras têm como fim contribuir para a gestão e conservação dos recursos marítimos a partir da análise do conteúdo dos estômagos dos cetáceos, cujos resultados serão transmitidos à Comissão Baleeira Internacional.

No entanto, o Tribunal de Haia, em 2014, declarou ilegal as capturas baleeiras japonesas no Antárctico por não se ajustarem a tais fins e ordenou a sua suspensão. O Japão decidiu, no entanto, retomar estas campanhas embora limitando as suas capturas a um terço da quantidade habitual.

A Comissão Baleeira Internacional também se opôs ao novo tecto de capturas proposto pelas autoridades japonesas na reunião que este organismo realizou em Setembro no Brasil, o que levou as autoridades nipónicas a ameaçar retirar-se da comissão internacional.

Até à sua proibição por parte do Tribunal Internacional de Haia, nas campanhas baleeiras japonesas capturavam-se 850 exemplares de minke -uma espécie da qual o Japão estima que há um número relativamente abundante de exemplares-, 50 de baleia-jubarte e outros 50 de baleia-comum para fins científicos.

Além das suas capturas no Antárctico, o Japão caça baleias no Pacífico Norte, no litoral setentrional do arquipélago, também com fins supostamente científicos.

Estas actividades foram criticadas pela comunidade internacional e organizações de defesa dos direitos dos animais, que consideram que se trata de pesca comercial encoberta, dado que a carne dos espécimens estudados é posteriormente vendida.

 

Be the first to comment

Leave a Reply

Your email address will not be published.


*


This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.