IPIM. Glória Batalha Ung também é arguida

Fotografia: Macau Hub

A informação foi esta tarde avançada pelo portal noticioso “All About Macau”. A publicação electrónica identifica o terceiro arguido do processo que resultou na suspensão de Jackson Chang como sendo Miguel Ian Iat Chun, actual Chefe do Departamento de Aposentação e Sobrevivência do Fundo de Pensões.

A Secretária-Geral Adjunta do Secretariado Permanente do Fórum Macau, Glória Batalha Ung, é a vogal executiva do Instituto de Promoção do Comércio e do Investimento (IPIM) que se encontra a ser investigada por “crimes funcionais” na apreciação e autorização de pedidos de imigração por investimento, avançou esta tarde o portal electrónico “All About Macau”.

A publicação adianta ainda que o terceiro arguido referenciado pelo comunicado emitido esta sexta-feira pelo Comissariado Contra a Corrupção é Miguel Ian Iat Chun, antigo director adjunto do Gabinete Jurídico e de Fixação de Residência do IPIM e actual Chefe do Departamento de Aposentação e Sobrevivência do Fundo de Pensões.

Esta manhã, o CCAC revelou, num breve comunicado, que o presidente do Conselho de Administração do Instituto de Promoção do Comércio e do Investimento de Macau (IPIM) foi suspenso de funções, na sequência de uma investigação sobre alegados crimes na gestão de pedidos de residência por investimento.

De acordo com a nota de imprensa, Jackson Chang ficou na quinta-feira sujeito às “medidas de coação de suspensão do desempenho de funções públicas e de proibição de saída de Macau”. As mesmas medidas de coacção foram aplicadas a Glória Batalha Ung e a Ian Iat Chun, adiantava o CCAC

Jackson Chang está a ser investigado por “crimes funcionais” na apreciação e autorização dos pedidos de imigração por investimento, referiu o comunicado do CCAC, que em julho já havia criticado a “falta de rigor” do IPIM na gestão destes pedidos.

Tolerância zero

Num outro comunicado, divulgado ao início da tarde, o Governo garantiu que vai manter “uma política de tolerância zero contra quaisquer actos de corrupção praticados por trabalhadores da Função Pública”.

Em Julho, um relatório do CCAC dava conta de irregularidades na apreciação e autorização, por parte do IPIM, dos pedidos de “imigração por investimentos em imóveis”, “imigração por investimentos relevantes” e “imigração por fixação de residência dos técnicos especializados”.

O Comissariado apontava, por exemplo, casos em que os requerentes, “não se encontrando em Macau por muitos anos, conseguiram demonstrar (…) auferir salários significativos de sociedades sem sucesso”, o que leva a crer que tenham “adquirido fraudulentamente” estas autorizações.

Be the first to comment

Leave a Reply

Your email address will not be published.


*


This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.