D.A.M.A. Uma resposta “energética” à barreira da língua em Macau

O grupo de Lisboa actuou ontem pela primeira vez no continente asiático, no primeiro dos quatro concertos previstos para o território. O grupo tenciona ultrapassar a barreira da língua com a aposta numa postura mais energética em palco. Um dos membros do grupo promete, ainda assim, surpreender o público com algumas palavras em chinês.

A banda portuguesa D.A.M.A estreou-se na segunda-feira no continente asiático, ao actuar em Macau, no primeiro de quatro concertos nos quais o grupo se propõe responder à barreira linguística com “energia e portugalidade”.

“Tem um sabor especial cantar em português aqui. Trazemos energia e vamos tentar animar as pessoas, temos de ir por aí para ultrapassar a barreira linguística” disse à Lusa Miguel Cristovinho, um dos integrantes do trio, antes do primeiro concerto.

A banda, oriunda de Lisboa, é um dos destaques da 10.ª semana cultural da China e dos Países de Língua portuguesa, certame que junta mais de 130 artistas e várias exibições de dança, música, teatro, fotografia e gastronomia lusófonos.

“Acabamos a última digressão e já só queríamos ir para a Ásia, ter a experiência de tocarmos para quem não percebe português. Vai ser um desafio, mas vamos desfrutar”, garantiu à Lusa Francisco Maria Pereira, outro dos membros dos D.A.M.A.

‘Kasha’, como também é conhecido, desvendou que todos os concertos vão ter o mesmo arranjo: o grupo vai condensar as músicas mais conhecidas dos três álbuns, num conceito mais energético para “contagiar o público”: “Os quatro concertos vão ter o mesmo arranjo e contamos contagiar o público com a nossa portugalidade, até porque só vamos cantar em português”, afirmou.

Miguel Coimbra, também membro do grupo, já viveu no sul da China e promete surpreender o público com “algumas palavras em chinês”. Para o músico, os concertos em Macau podem ser “uma porta para outros espectáculos”.

O Largo do Senado, no coração de Macau, a Doca dos Pescadores e as Casas Museu da Taipa são durante estes dias palco de vários concertos lusófonos. Além do grupo português, a edição deste ano reúne músicos de Cabo Verde (Grace Évora e Banda), Angola (Paulo Flores), Timor-Leste (Black Jesuz), Moçambique (Moza Band), Brasil (Banda Circulô), Guiné-Bissau (Rui Sangara), São Tomé e Príncipe (Alex Dinho) e China (Grupo Artístico Folclórico de Songjiang).

Be the first to comment

Leave a Reply

Your email address will not be published.


*


This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.