China coloca em orfanatos crianças retiradas a famílias uígures, acusa Human Right Watch

A organização não-governamental sustenta que as autoridades chinesas estão a retirar a famílias muçulmanas crianças cujos pais foram arbitrariamente detidos por ordem de Pequim. A Human Rights Watch pede agora que as crianças sejam devolvidas aos seus familiares e que o Governo chinês coloque fim a uma prática que atenta contra os preceitos da Convenção dos Direitos das Crianças.

O governo da República Popular da China deve devolver às famílias as crianças mantidas em orfanatos em Xinjiang, por os seus pais terem sido “arbitrariamente detidos”, exigiu esta terça-feira a organização não-governamental (ONG) Humans Right Watch.

A imprensa internacional tem noticiado casos de crianças oriundas de famílias de muçulmano uigures detidos serem colocadas em instituições estatais. A ONG Human Rights Watch pede agora que elas sejam devolvidas às suas famílias, de onde, em muitos casos, foram retiradas.

No relatório que divulgou esta terça-feira, a Human Rights Watch estima que um milhão de uígures estejam detidos em “campos de educação política ilegais”, na Região Autónoma de Xinjiang, juntamente com um número desconhecido de pessoas detidas ao abrigo de uma campanha do governo chinês contra o terrorismo e o extremismo islâmico.

“As autoridades chinesas estão cruelmente a colocar as crianças de presos políticos de Xinjiang nas instituições do Estado”, disse Sophie Richardson, directora da Human Rights Watch para a República Popular da China.

“Trata-se de um programa perverso do governo para tirar jovens uígures das suas famílias, em nome do bem-estar material dessas crianças”, acrescenta Sophie Richardson.

Em Novembro de 2016, o secretário do Partido Comunista Chinês de Xinjiang, Chen Quanguo, ordenou que as autoridades locais colocassem todos os órfãos de Xinjiang (alguns delas até agora a cargo das suas famílias alargadas) em instituições até 2020, como parte de uma série de iniciativas de desenvolvimento da região.

A política regional define órfãos as “crianças que perderam os seus pais ou cujos pais não podem ser encontrados”; em algumas regiões, isso inclui aquelas cujos pais são detidos ou presos. O objectivo do governo é passar de uma taxa de institucionalização de 24 por cento de órfãos em Xinjiang para 100 por cento, entre 2017 e 2020.

Para a Human Rights Watch, os relatos de crianças a ser colocadas em orfanatos contra os desejos de suas famílias são particularmente alarmantes, dado o ataque continuado do governo à identidade cultural das comunidades de minorias muçulmanas turcas em Xinjiang.

A organização não-governamental denuncia ainda que as autoridades chinesas proíbem as crianças de aprender religião e marginalizaram progressivamente o uso das línguas locais, ao mesmo tempo em que promovem o uso do mandarim como meio de instrução, procurando eliminar práticas religiosas muçulmanas.

A Human Rights Watch recorda que o preâmbulo da Convenção sobre os Direitos da Criança, que o governo chinês ratificou, reconhece a família como o ambiente natural para o crescimento e o bem-estar das crianças.

Be the first to comment

Leave a Reply

Your email address will not be published.


*


This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.