Londres pede explicações a Hong Kong sobre recusa de vista a Victor Mallet

As autoridades britânicas exigiram ao Executivo da vizinha Região Administrativa Especial “explicações urgentes” sobre a recusa de visto a Victor Mallet, alegando que colocam em risco a autonomia e a liberdade de imprensa na antiga colónia britânica. A resposta chegou não de Hong Kong, mas de Pequim, com o Gabinete para os Assuntos de Hong Kong e Macau a acusar Londres de se imiscuir nos assuntos internos da República Popular da China.

O Reino Unido pediu este sábado “explicações urgentes” às autoridades da vizinha Região Administrativa Especial de Hong Kong depois do Executivo da RAEHK ter recusado renovar o visto de trabalho de um jornalista do Financial Times: “Pedimos ao governo de Hong Kong que dê uma explicação urgente”, apontou o Ministério dos Negócios Estrangeiros britânico, em comunicado.

“O alto grau de autonomia e liberdade de imprensa de Hong Kong está no centro do seu estilo de vida e deve ser plenamente respeitado”, acrescentaram as autoridades.

O consulado dos Estados Unidos da América em Hong Kong já reagiu, descrevendo a medida tomada contra o jornalista Victor Mallet como “particularmente preocupante”.

O Financial Times revelou na sexta-feira que Hong Kong recusou renovar o visto de trabalho a Victor Mallet, que foi, em Agosto, mediador de uma palestra em que participou Andy Chan, líder de um partido pró-independência recentemente

“Esta é a primeira vez que temos esta situação em Hong Kong, e não recebemos qualquer justificação para a rejeição” da renovação do visto, indicou.

Mallet, um experiente jornalista que assumiu a vice-presidência Clube de Correspondentes Estrangeiros em Hong Kong (FCC, sigla em inglês), desencadeou forte controvérsia com o antigo chefe do Executivo da região administrativa especial chinesa Leung Chun-ying depois de o clube ter decidido organizar uma palestra com Andy Chan, líder do Partido Nacional de Hong Kong, pró-independência.

O FCC recusou ceder ao pedido do Ministério dos Negócios Estrangeiros chinês de cancelar a palestra, reiterando como prioridade a defesa da liberdade de expressão.

Este pedido, o primeiro deste tipo desde 1997, data da transferência de soberania do Reino Unido para a China e surge numa altura em que Pequim continua a reforçar o domínio sobre Hong Kong que, ao abrigo da lei básica local, goza de liberdade de expressão e poder judicial independente.

O partido foi ilegalizado a 24 de setembro passado, numa decisão sem precedentes anunciada pelo secretário para a Segurança, John Lee Ka-chiu.

Victor Mallet, de 58 anos, é jornalista há mais de três décadas na Ásia, Europa, Médio Oriente e África.

Be the first to comment

Leave a Reply

Your email address will not be published.


*


This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.