Birmânia. Autoridades destroem marfim destinado ao comércio ilegal

A iniciativa materializou-se depois do Governo de Naypyidaw ter sido acusado de fechar os olhos à exportação ilegal de marfim e de pele de elefante para a República Popular da China. O Ministro dos Recursos naturais do país justificou a operação com o propósito de alertar a opinião pública sobre o tráfico ilegal de animais selvagens.

As autoridades da antiga Birmânia destruíram esta quinta-feira em Naypyidaw 277 objetos de marfim destinados ao comércio ilegal, anunciou o ministro dos Recursos Naturais, U Ohn Win.

Na operação foram também destruídos 227 ossos de elefante e outros animais, 1.544 variedades de cornos e 25 peles de animais selvagens.

O governante, citado pela agência norte-americana Associated Press, declarou que os objectos foram destruídos com o propósito de alertar a opinião pública sobre o tráfico ilegal de animais selvagens.

Na declaração, feita dias depois do país ter sido acusado por grupos conservadores de exportar ilegalmente marfim para a República Popular da China, U Ohn Win acrescentou ainda que é necessário promover a cooperação internacional na luta contra este tipo de crime.

Um relatório publicado esta quinta-feira pela organização não-governamental Save the Elephants anunciou que o marfim que chega ao território chinês, onde o comércio é proibido, provém da caça ilegal no Myanmar e de peças provenientes de África.

Várias organizações de defesa da vida selvagem consideraram recentemente que a crescente procura chinesa por produto feitos com pele de elefante tende a aumentar a caça ilegal, especialmente na antiga Birmânia.

Estima-se em 2.000 o número de elefantes selvagens no Myammar, país onde foram mortos 108 elefantes desde 2010, divulgou o director-geral do departamento florestal do país, também citado pela Associated Press.

Investigações do grupo Elephant Family revelam que a pele de elefante é transformada em pó e vendida na China como cura para doenças de estômago ou ainda usada para fabricar colares e pulseiras.

Be the first to comment

Leave a Reply

Your email address will not be published.


*


This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.