Wang Yang alerta contra os riscos do separatismo tibetano

Membro do Comité Permanente do Politburo do Partido Comunista Chinês, Wang Yang visitou no domingo a capital tibetana, Lhasa. O responsável político sublinhou a necessidade de garantir que as instituições budistas da Região Autónoma possam ser vigiadas.

Um alto quadro do regime de Pequim apelou ao “aumento dos esforços contra o separatismo” no Tibete, num sinal de que o Governo Central tenciona manter um controlo apertado numa das mais voláteis regiões da República Popular da China.
Citado esta segunda-feira pela imprensa estatal chinesa, Wang Yang, membro do Comité Permanente do Politburo do Partido Comunista, a cúpula do poder na China, sublinha a importância de vigiar as instituições budistas tibetanas, instando à “prontidão e precaução para os perigos em tempos seguros”.
Wang considera que as figuras religiosas devem ser “corajosas para combater todos os elementos separatistas”, visando preservar a unidade nacional e estabilidade social, durante uma visita à capital tibetana, Lhasa, no domingo.
Com cerca de três milhões de habitantes, o Tibete é uma das regiões mais vulneráveis ao separatismo, com os locais a argumentarem que a região foi durante muito tempo independente, até à sua ocupação pelas tropas chinesas em 1951.
Pequim considera que a região – que tem uma área equivalente ao dobro da Península Ibérica – é, desde há séculos, parte do território chinês.
Desde 2008, quando vários protestos contra o Governo chinês abalaram a região, as autoridades chinesas têm reforçado as políticas repressivas, visando reduzir a influência do líder político e espiritual dos tibetanos, o Dalai Lama, que Pequim acusa de ter “uma postura separatista”. Tenzin Gyatso vive exilado na vizinha Índia, na sequência de uma frustrada rebelião contra a administração chinesa, em 1959.
Wang é um dos principais responsáveis pela política de Pequim para a religião. Os seus comentários de domingo reflectem também o apelo do Governo chinês, oficialmente ateísta, para que as religiões no país sejam “achinesadas”, o que inclui a remoção de símbolos religiosos exteriores e uma mais rigorosa adesão às directrizes do Partido Comunista.
Entre as medidas mais recentes, foi exigido aos estudantes da região que assinassem um acordo em como “não participariam em qualquer tipo de actividade religiosa”, durante as férias de Verão.

 

Be the first to comment

Leave a Reply

Your email address will not be published.


*


This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.