Malo Clinic. Novo espaço abre muito “em breve”

A Malo Clinic está a ultimar os preparativos para abrir uma nova clínica no centro da cidade. A garantia foi ontem dada em Pequim por Paulo Maló, que adiantou ainda que a empresa está apostada en recuperar o espaço no Venetian Macao. O presidente do grupo Maló falou em Pequim à agência Lusa, à margem da inauguração da segunda clínica da marca na capital chinesa.

Paulo Maló, presidente da Malo Clinic afirmou este domingo que vai abrir uma nova clínica em Macau muito “em breve”, com um novo parceiro. A decisão foi tomada depois de a licença do Hospital Taivex/Malo – onde a empresa geria a parte dentária – ter sido suspensa.

“Na parte dentária vamos abrir uma nova clínica, que não tem nada a ver com a anterior, com um parceiro novo”, revelou à agência Lusa Paulo Maló, em Pequim. “O novo espaço, no centro de Macau, irá abrir este mês ou no próximo”, detalhou ainda o empresário.

A nova clínica surge seis meses depois de a PHC-Pacific Health Care, dona de 90 por cento da marca Malo no território e que detém a licença da clínica TaivexMalo, ter recebido uma ordem de despejo do Venetian Macau, hotel-casino onde se encontravam as instalações que incluíam o consultório dentário operado pela Malo.

Em 24 de Novembro, os Serviços de Saúde anunciaram a suspensão da licença da TaivexMalo por seis meses, devido à prática ilegal de procriação médica assistida, tráfico e contrabando de medicamentos de oncologia e falta de condições de higiene e segurança.

Em declarações à Lusa, na sequência do anúncio, Paulo Maló afirmou que a ordem de encerramento das instalações da PHC-Pacific Health Care não abrangia directamente a sua empresa, mas afectou na prática o funcionamento, uma vez que partilhavam o mesmo espaço.

O empresário reafirmou este domingo que quer recuperar o espaço no Venetian com a PHC, para continuar a fazer turismo médico, que inclui a parte dentária, cirurgia cosmética, dermatologia ou pediatria, mas que desta vez não abdicará da gestão: “Precisamos do espaço do Venetian, que foi feito para ser o maior centro de turismo médico na Ásia, mas não vamos abrir mão do controlo do ‘management’, até porque temos muito a perder, como foi agora, não só do ponto de vista económico, como de reputação”, afirmou.

Sobre a acção de execução contra a Maló Clinic, por parte do Banco Nacional Ultramarino (BNU), com vista à cobrança de uma dívida no valor de 6,3 milhões de euros, Paulo Maló disse que a sua empresa é apenas avalista no processo: “Quando nós vendemos [90%] da Malo em Macau aos chineses [da PHC], vendemos por um preço mais a dívida. O que acontece é que no contrato eles são responsáveis pelo pagamento da dívida, e nós somos responsáveis em caso de incumprimento”, disse. “Quando a licença foi revogada, eles deixaram de pagar ao BNU e nós fomos chamados, porque somos avalistas. Se eles entrarem em incumprimento, nós temos que pagar, mas nesse caso teremos que reaver a percentagem que vendemos”, disse.

Paulo Maló falava à Lusa na sua nova clínica em Pequim, na rua comercial de Wangfujing, perto da praça Tiananmen, a segunda do grupo na capital chinesa e a vigésima em toda a China: “Estamos a expandir-nos na China a uma média de quase uma clínica por mês”, assinalou.

Formado em medicina dentária pela Universidade de Lisboa, Paulo Malo fundou a primeira clínica em 1995. Mais de vinte anos depois, o seu grupo emprega cerca de 3.000 pessoas em quase trinta países, um terço das quais em Portugal

Be the first to comment

Leave a Reply

Your email address will not be published.


*


This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.