Myanmar. Governo promove conferência de paz no final do mês

O incidente que na semana passada vitimou 19 pessoas e deixou quase três dezenas de feridos no norte do Myanmar não deve colocar em risco a conferência de paz agendada para o final do mês. A China teve um papel preponderante para que os rebeldes Kachin não abandonassem as negociações, adiantou um dos responsáveis pela chamada Conferência de Paz de Panglong para o século XXI.

O Myanmar está a preparar-se para a terceira reunião da chamada Conferência de Paz de Panglong para o Século XXI, um certame agendado para o final do corrente mês ou para o início do próximo.

Um responsável pelo Centro para a Reconciliação e a Paz garantiu que a conferência vai mesmo realizar-se, não obstante os recentes recontros entre o exército, a polícia e grupos armados que ocorreram no norte do país.

Na última sexta-feira, pelo menos pessoas foram mortas e 27 outras ficaram feridas numa série de ataques perpetrados por grupos rebeldes na cidade de Muse. U Hla Maung Shwe reconhece que o incidente pode colocar em causa a caminhada para a paz: “As causas do recente conflito no norte da Myanmar residem em ambos os lados. Se uma das partes recorrer à força, a outra parte é provavel que retalie da mesma forma. Estes mecanismos de vingança a única coisa que fazem é arredar o país da paz”, sublinhou o responsável.

O Consultor do Centro Nacional para a Paz e a Reconcilicação assegura, no entanto, que o conflito no norte do Myanmar não afectou os planos originais do organismo. U Hla Maung Shwe agradeceu, de resto, ao Governo chinês por ter servido de intermediário e ter convencido os grupos rebeldes que actuam no norte do país a participar na Conferência de Paz de Panglong: “Discutimos em reuniões recentes se devemos ou não convidar alguns grupos étnicos armados do norte do Myanmar para participar na terceira reunião da Conferência para a  Paz e a União. A China concedeu-nos uma ajuda importante ao convidar grupos armados do Norte do Myanmar para este encontro e estamos muito entusiasmados com isso”, assumiu.

O conflito entre o Exército birmanês e a milícia Organização para a Independência de Kachin levaram mais de quatro mil pessoas a abandonar as respectivas habitações durante o mês de Abril. Desde o início do ano, e de acordo com a Organização das Nações Unidas, terão sido mais de 15 mil os que terão tentado fugir ao conflito.

Be the first to comment

Leave a Reply

Your email address will not be published.


*


This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.