Vinho português quer dar cartas na China

Dos produtores europeus, apenas a França, a Espanha e a Itália venderam mais para o mercado do Continente. A China deve substituir a França e o Reino Unido como o maior mercado mundial nos próximos anos e os produtores portugueses querem acompanhar a expansão do mercado chinês. Em 2017, a China importou vinho português no valor de 18 milhões de euros.

Portugal é já o quarto produtor europeu de quem a República Popular da China importa mais vinho. O Continente deverá tornar-se o maior mercado do mundo do sector nos próximos anos, numa tendência que as empresas vinícolas portuguesas estão a tentar acompanhar.

“Estamos aqui a tentar acompanhar e apanhar este comboio, que é um comboio importante”, disse à agência Lusa Dora Martins, gerente de exportação da Real Companhia Velha, à margem de uma prova de vinhos organizada pela embaixada portuguesa em Pequim. A inciativa contou ainda com a participação da José Maria da Fonseca, uma das principais empresas vitivínicolas de Portugal.

O mercado chinês deverá ultrapassar, nos próximos anos, os mercados do Reino Unido e de França como o maior mercado do mundo para vinho, em termos de valor, de acordo com a consultora International Wine & Spirit Research (IWSR).

Na lista dos países europeus que em 2017 exportaram mais vinho para a China, encabeçada pela França, Portugal ficou no 4.º lugar, atrás de Espanha e Itália, de acordo com dados do centro de pequenas e médias empresas da União Europeia.

No ano passado, o país asiático comprou mais de 18 milhões de euros de vinho português, de acordo com a mesma fonte, representando 2,6 por cento em volume e 2,5 por cento em valor das exportações portuguesas do sector.

No entanto, o mercado chinês tem “características próprias” e a “forma de os chineses consumirem vinho é diferente de todos os outros países”, nota Dora Martins: “É um mercado onde há um grande desconhecimento sobre os vinhos portugueses e, portanto, é preciso vir cá mais vezes, explicar as castas locais, os vinhos e as regiões”, disse.

A representante da mais antiga empresa de vinhos de Portugal ressalva, no entanto, que “os chineses aprendem muito rápido”: “Há dez, quinze anos, os chineses não percebiam nada de vinhos. E eu fico admirada e surpreendida o quão rápido o consumidor daqui aprende”, explicou.

Nos últimos anos, a campanha anti-corrupção em curso na China levou a mudanças no perfil do mercado, com os vinhos a deixarem de servir como suborno e as vendas a serem impulsionadas pelo consumo real, de acordo com analistas do setor.

O ‘boom’ no comércio electrónico – a China representa quase metade das compras via ‘online’ em todo o mundo – contribuiu também para alargar a oferta de vinho importado a cidades de menor dimensão, numa tendência que favorece os vinhos de gama média.

Dora Martins falava à margem de um evento organizado pela embaixada portuguesa em Pequim, que reuniu quase vinte jornalistas da imprensa estatal e revistas ‘Life&Style’ chinesas, e cerca de seis dezenas de profissionais do sector, incluindo distribuidores e representantes de restaurantes e hotéis locais.

O evento, que culminou com um concerto da fadista portuguesa Cuca Roseta, é o primeiro de uma iniciativa lançada pelo embaixador português em Pequim, José Augusto Duarte, visando promover a cultura e os produtos portugueses, e que se irá repetir ao longo do ano: “Queremos promover produtos tradicionais e industriais. A área agro-alimentar, mas também calçado, ourivesaria, componentes automóveis, mobiliário ou design”, revelou o diplomata à agência Lusa.

Be the first to comment

Leave a Reply

Your email address will not be published.


*


This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.