Taiwan: Sete anos de prisão para homem que queria decapitar Tsai Ing-wen

O homem, de 51 anos, feriu um guarda do complexo presidencial com o recurso a uma espada de samurai que tinha roubado do Museu das Forças Armadas. Para além de se propor decapitar a presidente taiwanesa, o homem pedia ainda a Pequim para invadir a Formosa.

O homem que atacou um guarda da residência oficial da presidente taiwanesa, Tsai Ing-wen, foi condenado esta quinta-feira a sete anos de prisão. O ataque fez as primeiras páginas dos jornais formosinos devido ao facto de ter sido conduzido com uma espada de samurai e de o autor da investida ter consigo notas manuscritas em que ameaçava decapitar a governante.

Lu Chun-yi, que quando desferiu o ataque, em Agosto último, levava consigo uma bandeira da República Popular da China feriu o guarda que o tentou impedir de entrar no complexo presidencial. O agente acabou por ser hospitalizado com ferimentos no pescoço, nos rostos e nas mãos.

O atacante, de 51 anos, explicou que tinha a intenção de içar a bandeira chinesa no Gabinete da presidente formosina. Nas notas que transportava, Lu propunha-se decapitar Tsai Ing-wen, ao mesmo tempo que pedia a Pequim para invadir Taiwan.

A República Popular da China e a Formosa são liderados por regimes rivais desde o fim da guerra civil chinesa, em 1949. Pequim considera, no entanto, que a ilha é parte integrante do seu território.

Depois da chegada ao poder de Tsai Ing-wen, em 2016, as relações entre Pequim e Taipé degradaram-se.

Condenado a sete anos de prisão, o autor do ataque tinha roubado a espada com que tentou o ataque no Museu das Forças Armadas, situado ao lado do complexo presidencial. A espada tem inscrita a inscrição “batalha de Nanquim, esta espada matou 107 pessoas” e pertencia a um alto quadro militar japonês que terá participado no massacre de que a população da cidade foi alvo em 1937.

“O acusado estava consciente de que aplicando golpes a outra pessoa com uma espada de samurai poderia muito facilmente provocar-lhe a morte, mas ainda assim foi isso que fez de forma deliberada”, declarou o Tribunal Distrital de Taipé, ao condenar Lu Chun-yi por homicídio tentado.

No entender da acusação, o condenado tencionava “fazer-se passar por mártir” e não mostrou quaisquer remorsos.

As tentativas de ataque contra o complexo presidencial taiwanês não são, de resto, uma novidade. Em 2014, um condutor tentou forçar o portão da residência presidencial com a sua viatura. Um outro conseguiu mesmo pulverizar um vidro à prova de balas, chegando a entrar pela porta principal da residência.

Be the first to comment

Leave a Reply

Your email address will not be published.


*


This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.