Está para breve, acordo entre Pequim e o Vaticano

Um porta-voz do Ministério dos Negócios Estrangeiros do Governo Central reconheceu esta segunda-feira que a China está a trabalhar com a Santa Sé com o propósito de melhorar as relações entre os dois Estados. Hoje arranca no Vaticano uma conferência sobre o tráfico de órgãos onde estão presentes representantes chineses.

As autoridades chinesas reconheceram esta segunda-feira que estão a trabalhar com o Vaticano para melhorar as relações bilaterais entre os dois países. A assinatura de um acordo relativo à nomeação de bispos está eminente, de acordo com alguns observadores.

“A nossa posição é clara: estamos contentes por trabalhar com o Vaticano para melhorar as relações”, afirmou o porta-voz do ministério chinês dos Negócios Estrangeiros, Lu Kang, em conferência de imprensa.

Uma delegação de académicos chineses participa hoje e amanhã, no Vaticano, numa conferência contra o tráfico de órgãos. Sem avançar mais detalhes, o porta-voz do Ministério dos Negócios Estrangeiros do Governo de Pequim afirmou que o Governo Central está a tentar desenvolver as relações com a Santa Sé em várias outras áreas.

Em declarações ao jornal Global Times, Huang Jiefu, antigo vice-ministro chinês da Saúde e actual responsável pelo Comité Nacional de Doações e Transplante de Órgãos, assegurou também que as “relações entre Pequim e as autoridades do Vaticano estão a avançar”.

A conferência que hoje e amanhã se realiza na Santa Sé constitui uma oportunidade “para estender o contacto para além do sector da saúde”, notou o antigo responsável político. Pequim e a Santa Sé romperam os laços diplomáticos em 1951, depois de Pio XII excomungar os bispos designados pelo regime comunista chinês.

Os católicos do país dividiram-se então entre duas igrejas: a Associação Católica Patriótica Chinesa (ACPC), aprovada por Pequim, e a clandestina, que permanece fiel ao Vaticano até aos dias de hoje.

Especialista nas relações entre Pequim e a Santa Sé, Francesco Sisci disse recentemente à agência Lusa que Pequim e o Vaticano estão prestes a assinar um primeiro acordo: “Acompanho isto há muitos anos. Muitas vezes tratou-se apenas de diálogo, mas nos últimos tempos gerou-se um ‘momentum'”, disse. “Existe já um acordo, no qual o Estado [chinês] e a igreja católica reconhecem os bispos”, detalhou.

Num outro sinal de aproximação, a igreja católica e os comunistas chineses concordaram trocar várias obras de arte para a realização de duas exposições simultâneas, a partir deste mês. As mostras vão decorrer em simultâneo na Cidade Proibida de Pequim e no Museu do Vaticano.

Be the first to comment

Leave a Reply

Your email address will not be published.


*


This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.