Caso Rota das Letras. Lei Básica não foi infringida, diz Zheng Xiaosong

Fotografia: Macau News

O director do Gabinete de Ligação do Governo Central em Macau recusou-se a comentar o caso envolvendo os escritores Jung Chang, Suki Kim e James Church, mas defendeu ainda assim que entende que a Lei Básica não foi infringida. Zheng louvou ainda o trabalho desenvolvido pelas autoridades locais na implementação integral da Lei Básica, no que toca sobretudo a questões como a defesa e a segurança nacionais.

Macau tem feito um trabalho impecável na implementação da Lei Básica quando comparado com Hong Kong. O reparo foi este sábado feito, em Pequim, por Zheng Xiaosong, noticiou a emissora em língua chinesa da Rádio Macau. O director do Gabinete de Ligação do Governo Central na RAEM considera exemplar o trabalho feito pelo território, no que toca em particular a domínios como a defesa e a segurança nacionais. Hong Kong, recorde-se, ainda não regulamentou o chamado artigo 23.

Zheng recusou-se a comentar a polémica em torno do Festival Literário Rota das Letras, cujos responsáveis anunciaram o cancelamento dos convites efectuados a Jung Chang, a Suki Kim e a James Church depois de terem sido avisados que os escritores poderiam não ser autorizados a entrar em Macau. O director do Gabinete de Ligação do Governo Central defende, no entanto, que a Lei Básica não foi infringida e que se existe polémica é porque a mini-constituição da RAEM não está a ser entendida de forma correcta. O responsável defende que para que a Lei Básica seja bem aplicada é necessário entender o espírito do princípio “Um País, Dois Sistemas” e da máxima “Macau governado pelas suas gentes”.

Be the first to comment

Leave a Reply

Your email address will not be published.


*


This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.