Covid-19. Número de contágios na Bélgica continua a crescer

O número de infecções pelo novo coronavírus continua a crescer na Bélgica, que a partir desta segunda-feira – e com uma incidência acumulada de 747 casos por dia em 14 dias sobre 100.000 habitantes – começa a aplicar restrições como o recolher obrigatório nocturno e o encerramento de restaurantes.

“As infeções duplicam a cada 7 dias e as hospitalizações duplicam a cada 8 dias”, disse em conferência o porta-voz do Comité Inter-Federal belga sobre o coronavírus, Yves Van Laethem, depois da ministra dos Negócios Estrangeiros e  antiga primeira-ministra da Bélgica, Sophie Wilmès, ter anunciado no fim de semana que tinha dado positivo para o coronavírus, contágio que atribuiu ao seu entorno familiar.

É a segunda ministra dos Negócios Estrangeiros da União Europeia (UE) a anunciar uma infecção por Sars-CoV-2, depois do positivo do ministro austríaco, Alexander Schallenberg, anunciado no sábado.

A Bélgica regista actualmente uma média de 7.876 novos casos diários nos últimos sete dias, um aumento de 79 por cento, com uma média de 30 mortes por dia (+89 por cento) e 252 hospitalizações (+100 por cento). Há actualmente um total de 2.845 pessoas no hospital, 412 nos cuidados intensivos: “Qualquer que seja o impacto das medidas (…) teremos 1.000 pacientes” nos cuidados intensivos dentro de uma dúzia de dias, pelo que os esforços procuram evitar “a projecção matemática de 2.000 pacientes até meados de Novembro”, o que representaria um ponto de viragem crítico, explicou o porta-voz.

Enquanto na semana passada as partes mais afectadas foram a Valónia (sul) e Bruxelas (centro), os novos dados mostram uma “aceleração perturbadora” na Flandres (norte), disse Van Laethem.

Para o país como um todo, a incidência acumulada em 14 dias sobre 100.000 habitantes é de 747 casos diários, com picos de 1.364 em Liège e 1.160 em Bruxelas.

A taxa de positividade na Bélgica já atingiu 14,7 por cento, enquanto que em Bruxelas chega a 22,5 por cento e em Liège a 26,5 por cento. Esta última, com uma população de quase 200.000 pessoas, é a cidade mais castigada do país.

Be the first to comment

Leave a Reply

Your email address will not be published.


*


This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.