Coreia do Norte. Justiça trata detidos “pior do que animais”

Tortura, humilhações e confissões forçadas são práticas frequentes no sistema judicial norte-coreano, que trata os detidos “pior do que animais”, afirma a Organização Não Governamental Human Rights Watch (HRW) num relatório publicado esta segunda-feira.

A organização de defesa dos direitos humanos, com sede nos Estados Unidos da América, entrevistou dezenas de ex-detidos e funcionários norte-coreanos e denunciou a situação nos centros de detenção da Coreia do Norte, cenários frequentes de torturas dos réus.

Acusada de violação em grande escala dos direitos humanos, a Coreia do Norte é um país “fechado” e pouco se sabe sobre o funcionamento de seu sistema judiciário.

As pessoas entrevistadas afirmaram que a detenção que precede os julgamentos é “particularmente dura” e que os detidos são maltratados e, com frequência, agredidos: “O regime diz que não se deve agredir os detidos, mas necessitamos de confissões durante a investigação”, explicou um antigo agente da polícia norte-coreana. “Assim, temos que os agredir para obter a confissão”, admitiu.

Vários antigos detidos afirmaram que foram obrigados a permanecer de joelhos ou sentados com as pernas cruzadas sem possibilidade de movimentação durante 16 horas seguidas em algumas ocasiões. O menor gesto provocava uma punição.

Os detidos foram espancados com varas, cintos de couro ou agredidos a soco. Muitos também foram obrigados a correr pelo pátio da prisão, até completar mil voltas:”Tratam os detidos pior que a um animal, que é no que os detidos acabam por se tornar”, afirmou um antigo presidiário, Yoon Young Cheol.

Algumas das mulheres entrevistadas afirmaram que foram agredidas sexualmente. Kim Sung Young, uma antiga vendedora de 50 anos que fugiu da Coreia do Norte em 2015, afirmou que o homem que a interrogou num centro de detenção a violou.

Outro agente tocou diversas vezes no seu corpo enquanto a interrogava, acrescentou.

No relatório, a HRW afirma que Pyongyang deve “acabar com a tortura endémica e cruel e o tratamento degradante e desumano nos centros de detenção”. A organização também pede à Coreia do Sul, aos Estados Unidos da América e a outros membros da ONU a “pressionar o governo norte-coreano”.

Em geral, a Coreia do Norte alega que respeita os direitos humanos e afirma que as críticas da comunidade internacional são uma campanha de difamação para “prejudicar o sistema socialista sagrado”.

Be the first to comment

Leave a Reply

Your email address will not be published.


*


This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.