Cientistas descobrem nova alteração no cérebro dos pacientes com Alzheimer

Uma nova alteração no cérebro das pessoas com Alzheimer, que abre a possibilidade de encontrar a curto prazo um bom biomarcador de diagnóstico e a longo uma intervenção terapêutica, foi descoberta por cientistas do Instituto de Neurociências de Alicante (CSIC-UMH).

De acordo com este instituto espanhol, esta é uma notícia que traz esperança para o dia mundial do Alzheimer, que se celebra na próxima segunda-feira, 21 de Setembro.

Apesar dos importantes avanços na investigação registados nos últimos anos, a etiopatogenia da doença de Alzheimer continua sem estar de todo aclarada e uma das questões chave é decifrar por que motivo aumenta a produção de beta amilóide, a proteína que produz o efeito tóxico e que desencadeia a patologia, no cérebro destes pacientes.

O laboratório do Instituto realizou um estudo inovador que se mostra muito prometedor, de acordo com o responsável pelo grupo de investigação, Javier Sáez-Valero: “Descobrimos que a glicosilação do precursor amilóide no cérebro de pacientes com Alzheimer está alterada” de maneira que “está a ser processado provavelmente de uma maneira diferente”.

Esta patologia ainda sem tratamento afecta 1,2 milhões de pessoas apenas em Espanha, número que se prevê que irá triplicar nas próximas décadas.

A situação agravou-se com a actual pandemia da covid-19, devido ao confinamento, e que provocou uma diminuição ainda mais rápida das capacidades cognitivas dos afectados, bem como um aumento das mortes por causas ainda por especificar neste grupo, segundo denunciou recentemente a associação Alzheimer Europe.

Segundo dados da Sociedade Espanhola de Neurologia, são diagnosticados anualmente em Espanha cerca de 40.000 novos casos de Alzheimer. Estima-se que 80 por cento dos casos em fase inicial continuam por diagnosticar.

Be the first to comment

Leave a Reply

Your email address will not be published.


*


This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.